É verdade que apóstolo de igreja em Porto Alegre promete unção imunizadora contra o coronavírus

No dia 1º de março, domingo, foi realizado na Catedral Global do Espírito Santo, em Porto Alegre (RS), um culto com unção de óleo para imunização contra o coronavírus. A igreja é liderada pelo casal Silvio Ribeiro e Maria Ribeiro, autoproclamados “profetas”.

O chamamento para a imunização aconteceu nas redes sociais da igreja e do casal, com dezenas de compartilhamentos.

Acompanhe a cronologia das postagens:

Dia 27 de fevereiro, 16h23, o apóstolo faz um chamamento urgente:

Dia 28, 1h18, o “comando do céu” é reforçado:

Dia 28, 18h48, o apóstolo afirma que deseja ungir com óleo todos/as que forem ao culto do dia 1º de março.

Dia 28, 22h51, a publicação oficial é postada com a seguinte frase:

“ATENÇÃO LÍDERES DE CARAVANAS:

É UMA CONVOCAÇÃO DE EMERGÊNCIA QUE VOCÊS MOBILIZEM FORÇA TOTAL PARA TRAZER O POVO DE DEUS PARA O CULTO DOMINGO!”

No cartaz oficial do evento a mensagem de imunização contra o vírus é feita.

Dia 1º de março, 7h17, a seguinte mensagem é postada:

No mesmo dia, uma segunda publicação:

A notícia sobre o culto com unção imunizadora chegou ao conhecimento da Polícia Civil e do Conselho Regional de Medicina (Cremers), levando as duas instituições a tomarem medidas contra a ação do apóstolo Ribeiro, que segundo a reportagem do jornal Zero Hora, pode se caracterizar como charlatanismo, crime previsto no Código Penal com punição de três meses a um ano de detenção e multa.

No dia 1º o culto foi transmito ao vivo, às 19h, por meio de uma live na fanpage da igreja – Avivamento Para As Nações.

Durante o culto, o apósto Ribeiro afirma:

O que tem a ver o coronavírus com a Biblia?

Tiago 5:14-15 diz: Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor; E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.

Eu tenho base bíblica para destruir qualquer demônio de doença com o azeite de Deus. O azeite de Deus nao cura só coronavírus, cura doenças, câncer… azeite também perdoa pecados.

[…] Um texto que está circulando pela internet e que somente depois de averiguado biblicamente por professores, teólgoso, doutores em divindades e estudiosos do apocalipe, eu trago ao conhecimento de vocês, o título é O EFEITO DO CORONAVÍRUS – em poucos meses esse vírus poderá trazer ao mundo a marca da besta…O Coronavírus é uma trombeta de Deus chamando o mundo para um arrependimento. Certamente esse virus trará a marca da besta ao mundo. Todos os teólogos, independente da linha de pensamento estão dizendo isso.”

As mensagens do apóstolo Ribeiro deixaram as autoridades gaúchas em alerta, por se tratar de uma medida sem qualquer eficácia contra a covid-19. A doença tem dois casos confirmados no Brasil e outros 252 casos suspeitos, sendo 27 no Rio Grande do Sul.

Após grande repercussão na mídia, uma coletiva de imprensa foi marcada para a tarde do dia 3 de março. Confira aqui.

Na início da coletiva, o apóstolo Ribeiro declara:

“Eu estou sendo perseguido porque estou obedecendo a palavra de Deus. Eu vou mostrar o que está escrito (leu para as jornalistas um trecho do capítulo 16 do livro de Marcos) . Deus promete essa imunidade para quem tem fé.”

Após ser indagado por uma jornalista se estaria compartilhando desinformação sobre o vírus, ele afirmou:

“Se eu soubesse, realmente, que essa declaração fosse causar tanta polêmica ou pânico, ou agredir a medicina e os médicos que dão a sua vida para salvar o ser humano, eu jamais teria falado isso, mas deixo bem claro que somente falei em defesa da minha fé, em defesa da Palavra de Deus. E se houve isso, eu sei que talvez para vocês possa ser chocante, eu peço perdão à medicina, a ciência, as leis, por ter, talvez impensadamente….eu não estava sozinho, eu estava com uma equipe de pessoas adultas, maduras, empresários, que viajam o mundo todo , eu disse: “gente, eu to vendo aqui na tv, só passa coronavírus, mas a nossa fé, a palavra do Deus vivo diz que ele cura qualquer coisa, vamos fazer um culto por isso.

Eu peço perdão a todos e digo que a nossa intenção com esse banner ou vírus foi a melhor de todas, levar fé, esperança e amor para as pessoas, jamais outra coisa.

Sou amigo dos médicos, medicina e da ciência. […] Eu creio que Tudo isso foi um anseio, um sonho, um desejo, uma missao de ajudar as pessoas, que infelizmente num péssimo momento usei as palavras erradas , os meios de divulgação errados e já pedi perdão e reforço isso em nome de jesus. Cada vez mais vou ser amigo daquilo que está na nossa sociedade para ajudar o ser humano.”

O Ministério Público do Estado considerou que a prática pode ser enquadrada como crime de charlatanismo ou curandeirismo, segundo informações do site BBC News. O órgão encaminhou os anúncios para as Promotorias de Justiça Criminais, de Proteção à Saúde e às Promotorias de Justiça Cíveis.

Carlos Bezerra

O Coletivo Bereia conversou sobre o caso com o médico e pastor, Carlos Bezerra, atualmente secretário executivo do Programa Mãe Paulistana.

Confira a entrevista:

1 – Como o senhor avalia a postura de um líder eclesial que afirma que uma unção com óleo pode imunizar contra o coronavírus?

Carlos Bezerra – Considero que uma igreja não pode prometer algo, revestida da fé das pessoas, e não cumprir. O charlatanismo investigado, neste caso, pode ser comprovado.

2 – Quais as consequências que as pessoas que participaram do culto podem sofrer ao acreditarem neste tipo de unção? A cidade de Porto Alegre também pode ser penalizada por meio de uma desinformação?

Carlos Bezerra – O dever da igreja é orientar, usando as informações oficiais das autoridades de saúde. Ao não fazer isso coloca em risco a saúde do seu rebanho. Mesmo considerada baixa, a taxa de mortalidade do coronavírus, mesmo não havendo um percentual oficial, foi de 3,5% na China, segundo a OMS. A China é o primeiro país a registrar casos da doença causada pelo coronavírus. Ele é altamente transmissível e em casos mais graves, pode levar à morte.

Quanto maior o número de pessoas que não estão cientes e informadas sobre os cuidados que devem ter, maior o risco.

3 – Como pastor e médico, qual sua orientação frente à epidemia?

Eu tenho falado sobre o assunto tanto dentro da igreja como em minhas redes sociais, sempre com a responsabilidade de mencionar apenas dados confirmados pelas autoridades nacionais e internacionais. Em casos assim, devemos trabalhar para evitar o pânico e a disseminação de notícias falsas, mas sem deixar de levar, com serenidade, os cuidados que devemos ter para prevenir a doença.

Antônio Carlos

Bereia também entrevistou o teólogo Antônio Carlos Barro, diretor da Faculdade Teológica Sul Americana.

1 – O apóstolo Silvio Ribeiro afirma que todos os teólogos estão dizendo que o coronavírus traz a marca da besta. Como teólogo, o que senhor tem a dizer?

Antônio Carlos – A primeira coisa que eu penso é: como o referido senhor conhece todos os teólogos? Os do Brasil, da América Latina e de todo o mundo? Uma fala vaga e sem nenhum critério de verificação. Segundo, afirmar que um vírus é a marca da besta é de uma ingenuidade sem tamanho, além de representar um emocionalismo barato. Na história do cristianismo líderes e grupos religiosos já apontaram inúmeras coisas, pessoas e eventos como a marca da besta, como por exemplo o Papa e o antigo Mercado Comum Europeu, apenas para mencionar dois. É uma afirmação sem nenhuma base bíblica e teológica que serve apenas para impressionar os crentes e seguidores. Logo será descoberta a cura do vírus e outra coisa será anunciada como a marca da besta. Sempre foi assim.

2 – Como o senhor avalia a hermenêutica bíblica feita pelo apóstolo entre o vírus covid-19 e a leitura de Joel 2?

Antônio Carlos – Pensar que essa fala tem alguma coisa dos princípios da hermenêutica é no mínimo uma aberração. A impressão que se tem é que o pregador não conhece nada de hermenêutica, exegese e homilética. Verbalizar textos fora do seu contexto histórico, especialmente os do Antigo Testamento, fazendo aplicações para hoje como se o tempo estivesse parado é muito comum, mas de uma superficialidade impressionante. Um sinal de que não houve nenhum estudo sério das Escrituras é ver que o pregador não faz uso de anotações. Não se tem nenhum indício de que o texto foi pesquisado. Assim sendo, o que se prega é uma imposição pessoal ao texto. Ou seja, o texto serve para o pretexto do pregador. É lamentável e desesperador para o movimento evangélico brasileiro.

3 – O apóstolo se baseia no Livro de Tiago para fundamentar a imunização por meio da unção do óleo consagrado.  Como o senhor avalia esta postura?

Antônio Carlos – Essa é uma coisa complicada. Depende da posição teológica. A cura, se ocorre, deve ter um alvo maior do que a própria cura. O que não se pode fazer é prometer que vai curar. Entende-se que o poder para curar não está no pregador, na sua pessoa, mas em Deus. Ou seja, Deus é o autor da cura. 

Como saber então se Deus quer curar? Como prometer que Deus vai curar? Em tese, não se pode prometer entregar o que não se tem. Como alinhar a mensagem de que Deus vai curar com a fala de Jesus na oração do Pai Nosso: “seja feita a tua vontade”?Assim sendo, podemos mesmo crer que Deus pode curar, mas apenas e tão somente se Ele assim o desejar.

4 – Por que igrejas com esse modelo teológico atraem tantas pessoas?

Antônio Carlos – Atraem porque a maioria absoluta dos cristãos/ãs não leem a Bíblia e muito menos a estudam. Não sabem absolutamente nada de teologia ou pouquíssimo conhecimento das doutrinas históricas do cristianismo. Não existe aprofundamento bíblico-teológico. O ensino nas igrejas é superficial. Aliado a isso tem o contexto de pobreza em que boa parte desse povo se encontra. As igrejas neopentecostais descobriram esse filão e abusam da fragilidade do nosso povo. Elas trabalham com a intervenção divina que a qualquer momento trará cura, emprego ou solução para qualquer problema. O nosso povo é crédulo e muitas vezes não tem alternativa que não seja essa – crer e esperar em Deus.

5 – Como diretor de uma faculdade de Teologia qual o seu principal desafio com os alunos, principalmente aqueles que vêm de igrejas neopentecostais?

Antônio Carlos – O nosso desafio, na verdade, não se limita apenas aos que são provenientes de igrejas neopentecostais. Hoje, a necessidade de ensino é um desafio urgente para todas as denominações. É um erro pensar que as igrejas históricas têm em suas fileiras membros mais preparados ou estudados. Isto não é verdade, até porque muitas igrejas históricas no afã de conquistar adeptos tem sucumbido as práticas que contradizem a teologia da denominação. Assim sendo, nós, da Faculdade Teológica Sul Americana, temos por desafio preparar os cristãos/as para que vivam o evangelho de maneira encarnada, comprometidos com os valores do Reino de Deus. 

Referências de Checagem:

Postagem do cartaz que anuncia a imunização contra o coronavírus. Disponível em:https://www.facebook.com/ApSilvioRibeiro/photos/a.394258940643123/2763946010341059/?type=3&theater

Site da Catedral Global do Espírito Santo. Disponível em: http://www.avivamentoparaasnacoes.com.br/site/profetas-silvio-e-maria-ribeiro/

Promessa de bênção com óleo que imunizaria contra o coronavírus deixa autoridades em alerta no RS. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/noticia/2020/03/promessa-de-bencao-com-oleo-que-imunizaria-contra-o-coronavirus-deixa-autoridades-em-alerta-no-rs-ck79vcodx00eb01pqa2fqa3bv.html

Igreja que promete ‘imunização’ contra coronavírus pode ser enquadrada por charlatanismo, diz MP. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-51708763

Esta classificação dos conteúdos por meio das etiquetas não é uma certificação da verdade, mas um guia para orientar a leitura crítica de notícias. O intuito é contribuir para que o/a leitor/a tenha acesso a uma maior pluralidade de pontos de vistas e, assim, amplie as alternativas possíveis de avaliação das informações que recebe diariamente nas mídias digitais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *