Bispo católico do Cazaquistão alardeia que vacinas contra a covid-19 têm células de fetos abortados

Em vídeo que circula em grupos de igrejas no WhatsApp, o bispo católico romano do Cazaquistão Athanasius Schneider faz diversas afirmações sobre questões morais relacionadas a vacinas contra a covid-19. De acordo com ele, as vacinas são “contaminadas de aborto”, pois têm por base “tecido de fetos que foram assassinados”, e que aceitá-las significa “normalizar o horror do genocídio do aborto”.

Dom Schneider recorre à noção de pecado por omissão para incentivar que os fiéis não se vacinem, pois estariam dando suporte ao que ele chama de “Indústria fetal”. As falas foram retiradas de entrevista concedida pelo líder religioso, em 6 de janeiro deste ano, a Michael J. Matt, editor do The Remnant, jornal católico que circula nos Estados Unidos desde 1967.

Células de fetos não são componentes da vacina

Bereia já publicou matéria com checagem sobre o conteúdo exposto pelo bispo, que periodicamente retorna em ambientes digitais religiosos. Nela, é explicado que algumas vacinas atualmente produzidas se utilizam de uma linhagem de células derivada de fetos que foram legalmente abortados há mais de três décadas. Essas mesmas linhagens celulares também são usadas para testar e aumentar a compreensão sobre diversos medicamentos de uso comum, como Tylenol, Ibuprofeno e Aspirina.

A técnica é aplicada mundialmente desde o século passado e consiste em reproduzir em laboratório uma cultura de células fetais que podem ser utilizadas na produção de vacinas. No caso da vacina contra a covid-19, as células fetais não fazem parte da composição, mas são empregadas em testes para criar o vírus que é replicado nos imunizantes. O vírus sai da célula, fica no meio da cultura e é então coletado e purificado para a fórmula da vacina. 

Ou seja, ao contrário do exposto por Dom Schneider, a vacina contra a covid-19 não contém células de fetos abortados, e muito menos estimula novos abortos. As linhagens utilizadas são reproduzidas em laboratório e derivam de procedimento legal ocorrido há anos, sem que os abortos tivessem sido realizados para fins científicos.

Linhagens utilizadas 

Na produção da vacina Janssen, a Johnson & Johnson utilizou a linhagem PER.C6, cultura desenvolvida a partir de células da retina de um feto legalmente abortado em 1985. A empresa usou essas células para cultivar adenovírus — modificados para que não se replicassem ou causassem doenças — que foram posteriormente purificados e empregados para distribuir o código genético para a proteína de espícula do Sars-CoV-2. Sendo assim, a vacina da J&J não contém as células fetais que anteriormente abrigaram os adenovírus, já que esses foram extraídos e filtrados.

As vacinas Pfizer e Moderna utilizaram outra linhagem, a HEK-293, derivada dos rins de um feto legalmente abortado na década de 1970. As células foram utilizadas durante o desenvolvimento para confirmar que as instruções genéticas para produzir a proteína de espícula do Sars-CoV-2 funcionavam em células humanas.

Na vacina Astrazeneca (Oxford), a HEK-293 serve de meio de replicação do adenovírus empregado na vacina. Já na Coronavac, vacina produzida pelo Instituto Butantan, uma linhagem de células epiteliais renais do macaco-verde africano, desenvolvida em 1962, foi empregada para cultivar o vírus utilizado na produção, sem que células humanas fossem necessárias.

O posicionamento da Igreja Católica

Esta não é a primeira vez que o bispo do Cazaquistão fala publicamente contra o uso da vacina. Em 2021, ele também deu declarações criticando a obrigatoriedade da aplicação e o chamado passaporte sanitário.

Em 2005, a Pontifícia Academia para a Vida publicou um parecer sobre vacinas que utilizam linhagens celulares provenientes de fetos abortados. Segundo a Academia, criada pelo Papa João Paulo II, em 1994, “Quanto às vacinas sem alternativa [eticamente produzida], deve-se reafirmar a necessidade de contestação para que possam surgir outras [vacinas], bem como a licitude da sua utilização neste intervalo, em caso de necessidade, para evitar um risco grave não só para as crianças, mas também, e talvez mais especificamente, para a saúde da população como um todo”.

Doze anos depois, a Academia voltou a publicar sobre o tema, afirmando que “as linhas celulares usadas atualmente estão muito distantes do aborto original e já não implicam a cooperação moral indispensável para uma avaliação ética negativa sobre seu uso”.

Recentemente, com a pandemia da covid-19, o Vaticano declarou que é moralmente aceitável que católicos tomem o imunizante contra a doença. A orientação foi publicada por meiode nota da Congregação para a Doutrinada Fé, que defende que a vacinação contra a covid deve ser voluntária, mas evidencia o dever de buscar o bem comum. A hierarquia católica afirma ainda que “deve ser enfatizado, porém, que o uso moralmente lícito destas vacinas, em condições particulares, não constitui por si só uma legitimação, mesmo indireta, da prática do aborto, e necessariamente pressupõe a oposição a esta prática por quem faz uso dessas vacinas”.

Bereia classifica a afirmação do bispo católico romano Athanasius Schneider de que as vacinas contra a covid-19 têm células de fetos abortados como ENGANOSA. As linhagens de células fetais de abortos legais existem mas são utilizadas somente para teste, não fazendo parte da composição do imunizante. Ainda, é falso que o processo de utilização das vacinas implique em incentivo ou novos procedimentos abortivos. Além disso, as orientações de Dom Schneider confrontam as instruções do líder mundial da Igreja Católica, o Papa Francisco.

Referências: 

Templário de Maria. https://templariodemaria.com/dom-schneider-adverte-que-as-restricoes-do-covid-estao-criando-uma-sociedade-de-escravos/ Acesso em: 10 de fev. de 2022

Bereia. https://coletivobereia.com.br/vacina-contra-covid-19-nao-usa-celulas-de-bebes-abortados-como-afirma-site-gospel/ Acesso em: 10 de fev. de 2022

Instituto Butantan. https://butantan.gov.br/covid/butantan-tira-duvida/tira-duvida-noticias/a-vacina-do-butantan-nao-e-desenvolvida-a-partir-de-celulas-tronco-de-fetos- Acesso em: 10 de fev. de 2022

National Geographic Brasil. https://www.nationalgeographicbrasil.com/ciencia/2021/11/conheca-os-fatos-sobre-linhagens-de-celulas-fetais-e-vacinas-contra-a-covid-19 Acesso em: 10 de fev. de 2022

BBC. https://www.bbc.com/portuguese/geral-53533697 Acesso em: 10 de fev. de 2022

Veja Saúde. https://saude.abril.com.br/coluna/e-verdade-ou-fake-news/vacinas-nao-contem-fetos-abortados-entenda-como-a-historia-comecou/ Acesso em: 10 de fev. de 2022

Pontifícia Academia Pro Vita. https://www.academyforlife.va/content/pav/en/the-academy/activity-academy/note-vaccini.html Acesso em: 10 de fev. de 2022

Gazeta do Povo. https://www.gazetadopovo.com.br/vozes/tubo-de-ensaio/vacina-coronavirus-fetos-abortados/?ref=link-interno-materia Acesso em: 10 de fev. de 2022

Immunize. https://www.immunize.org/talking-about-vaccines/vaticandocument.htm Acesso em: 10 de fev. de 2022

Vatican Press. https://press.vatican.va/content/salastampa/it/bollettino/pubblico/2020/12/21/0681/01591.html#ing Acesso em: 10 de fev. de 2022

Folha de São Paulo. https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/12/vaticano-permite-o-uso-de-vacinas-contra-covid-19-feitas-com-tecido-de-fetos-abortados.shtml Acesso em: 10 de fev. de 2022

JanssenMD. https://www.janssenmd.com/janssen-covid19-vaccine/product-properties/product-technology/advac-and-perc6-technology-of-the-janssen-covid19-vaccine?disclaimer&tid=20758389176213980d3f2fe4.91992490 Acesso em: 10 de fev. de 2022

Nebraska Medicine. https://www.nebraskamed.com/COVID/you-asked-we-answered-do-the-covid-19-vaccines-contain-aborted-fetal-cells Acesso em: 10 de fev. de 2022

European Medicines Agency. https://www.ema.europa.eu/en/documents/product-information/covid-19-vaccine-astrazeneca-product-information-approved-chmp-29-january-2021-pending-endorsement_en.pdf Acesso em: 10 de fev. de 2022

***

Imagem de capa: reprodução do The Remnant

Compartilhe!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no email
Email