São falsas correntes de whatsApp pedindo oração por cristãos perseguidos

Desde 2016 circulam nos grupos de whatsApp mensagens falsas, repassadas em forma de corrente, contendo pedidos de oração por “missionários condenados à morte por afegãos islâmicos”.

Segundo o site Boatos.org, a mensagem abaixo teria sido desmentida em 2007 pela equipe do Snope.

“Por favor, vamos orar pelos 22 missionários que foram condenados à morte. Um deles é nosso irmão Fabio Schuartz, missionário da cidade de Niterói RJ, que será morto amanhã por afegãos islâmicos. Tentem não demorar e passar essa mensagem bem rápido para que muitas pessoas estejam orando também. Pastor Márcio da Batista de Niterói postou pedindo oração. E também que cada um repasse para mais pessoas orarem. Não importa a religião de cada um, oremos pelo ser humano que está no campo levando a Palavra do SENHOR, obrigado!!!”

Outra mensagem enganosa diz que vinte igrejas teriam sido queimadas e duzentos missionários mortos em 24 horas, na Índia.

“Notícia triste. Por favor, pedido de oração urgente. Ore pela igreja na Índia. 20 igrejas foram queimadas ontem à noite. E hoje à noite, querem destruir, mais de 200 igrejas na província de Olisabang. Querem matar 200 missionários dentro dos próximos 24 horas. Todos os cristãos estão se escondendo em aldeias… Ore por eles e envie esta mensagem para todos os cristãos que você conhece em todo o mundo. Peça a Deus que tenha misericórdia dos nossos irmãos e irmãs na Índia. Quando você receber esta mensagem, por favor, envie-a com urgência para outras pessoas.

Em 2018, o site BBC também desmentiu uma mensagem do mesmo tipo. Nela, homens, mulheres e crianças estariam sendo decapitadas por um grupo radical islâmico em Quaragosh, no Iraque.

“Se puder encaminhá-lo, junte-se a nós em oração urgente, porque o grupo radical islâmico acaba de tomar Quaragosh, a maior cidade cristã do Iraque. Onde há centenas de homens, mulheres e crianças cristãs que estão sendo decapitados. Por favor, tome um minuto e ore por eles. Passar a mensagem para todos os seus contatos, não cortar a cadeia. Nós fomos convidados a orar, por favor, passe para outros.”

Nas três mensagens é possível perceber algumas características que, geralmente, são usadas em correntes de whatsApp. Usam advérbios de tempo “ontem, hoje, amanhã”, que podem ser usados para qualquer dia, sem especificar uma data. Carregam um tom alarmista e pedem que a mensagem seja repassada com “urgência”, o que facilita o compartilhamento sem nenhum tipo de verificação, e, por fim, misturam realidade com ficção, já que a perseguição em alguns países acontece em níveis severos.

No último dia 15, a Organização Cristã Portas Abertas divulgou a Lista Mundial da Perseguição, apresentando os 50 países em que há grande hostilidade a quem professa fé cristã. Os dados mostram que entre 1º de novembro de 2018 e 31 de outubro de 2019, período em que foi realizado a pesquisa, 8 cristãos foram mortos por dia, 182 igrejas ou edifícios cristãos foram atacados por semana e 309 cristãos foram presos injustamente por mês.

A perseguição aos cristãos é real e crescente em muitos países, como mostram os dados. Essa realidade acaba servindo como pano de fundo para a criação e propagação de mensagens falsas, com pedidos oração por pessoas que supostamente estariam em situação de risco de morte.

De acordo com o secretário geral de Portas Abertas no Brasil, Marco Cruz, essas correntes pelo whatsApp são um desserviço à Igreja Perseguida.  Para ele, muitas dessas informações são difíceis de checar por falta de provas, como boletins de ocorrência, relatos na imprensa ou outros documentos confiáveis. A Missão trabalha somente com dados checáveis de monitoramento.

Ele ainda afirmou que a equipe de PB sempre recebe questionamentos sobre o caso das 20 igrejas queimadas na Índia. “Essa é a mais antiga. A mensagem fala sempre ‘de ontem’, mas nunca acertam o dia de real ocorrência. Sim, a Índia está em 10° lugar na Lista Mundial da Perseguição que classifica os 50 países que mais perseguem cristãos no mundo. Por isso, acredito que seja a notícia que mais se espalhe. Mas, vamos aos números corretos. Em 2019, 2.983 cristãos foram mortos em todo o mundo por motivos de sua fé. Na Índia, houve 9 ocorrências de mortes e 34 ataques à propriedades cristãs (casas, igrejas, hospitais, escolas), além de 295 cristãos presos ou condenados sem julgamento”.

Já em relação a corrente sobre o Iraque, o secretário afirmou que este tipo de perseguição acontece com certa regularidade no Iraque, não apenas em Quaraqosh. “O Iraque está no 15º lugar da Lista Mundial da Perseguição em 2020. Os ataques são frequentes à igrejas e comunidades, principalmente pela presença do Estado Islâmico no país. Porém, no ano passado, com a expulsão do Estado Islâmico, houve um tempo de paz e os dados mostram que 3 cristãos foram mortos por motivos religiosos. Mesmo assim, o número de cristãos mortos aumenta no país. Pode parecer estranho e contraditório, mas os ataques de outros países, por conflitos que não são religiosos, acabam deixando os cristãos em estado de vulnerabilidade ainda maior e, no meio de fogo cruzado, eles também são atingidos”, observa Cruz.

Na dúvida, quando o assunto é perseguição religiosa, é sempre importante consultar fontes para averiguar a veracidade da informação.

Referências de Checagem:

22 missionários condenados à morte por afegãos#boatos. Disponível em: www.boatos.org/mundo/22-missionarios-condenados-a-morte-por-afegaos.html

20 igrejas foram queimadas ontem à noite em Olisabang. Disponível em: https://www.boatos.org/religiao/20-igrejas-queimadas-ontem-olisabang-india.html

Recebeu pedido de orações por crianças cristãs decapitadas em Qaraqosh? O que há de verdadeiro ou falso na mensagem. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/salasocial-43324898

Esta classificação dos conteúdos por meio das etiquetas não é uma certificação da verdade, mas um guia para orientar a leitura crítica de notícias. O intuito é contribuir para que o/a leitor/a tenha acesso a uma maior pluralidade de pontos de vistas e, assim, amplie as alternativas possíveis de avaliação das informações que recebe diariamente nas mídias digitais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *