Coronavírus: dias difíceis, medidas extremas

Em resposta à pandemia do novo coronavírus, Sars-CoV-2 , na noite de quinta-feira, 12 de março último, a Igreja Batista de Água Branca decidiu suspender todas as suas atividades presenciais, inclusive e principalmente as celebrações dominicais, que serão realizadas em modo online, por tempo indeterminado.

A fé não imuniza. Jesus ensinou que as chuvas e tempestades e ventos furiosos assolam as casas de todos, bons e maus, tanto dos que têm a casa edificada sobre a rocha quanto dos que a edificaram sobre a areia (Mateus 7.24-27). A fé é o recurso para enfrentar a fatalidade, não licença para agir com desinteligência, imprudência, ingenuidade ignorante, ou teimosia. Enxergando nuvens no horizonte e sabendo das condições desfavoráveis à navegação, Paulo, apóstolo, adverte seus companheiros de viagem dizendo:“vejo que a nossa viagem será desastrosa e acarretará grande prejuízo para o navio, para a carga e também para as nossas vidas” (Atos 27.7-10). Aprendi que devemos dar passos de fé, mas por vezes a fé recomenda um passo de bom senso. Quando os ventos são contrários, fique no porto, não se arrisque sob pretexto de fé. Isso não é fé, é arrogância, é colocar Deus à prova (Mateus 4.7; Deuteronômio 6.16).

Toda cura é cura divina, inclusive aquela promovida pela medicina, disse John Stott, teólogo anglicano britânico. A cisão entre fé e ciência reflete mais ignorância que piedade. Atender às recomendações das autoridades governamentais, notadamente aquelas orientadas pelos profissionais da saúde, os especialistas e infectologistas, é uma expressão de sensatez e também uma forma de honrar a Deus, pois como bem disse Louis Pasteur, “um pouco de ciência nos afasta de Deus. Muito, nos aproxima”.

A igreja é uma comunidade solidária. Não vive à parte do mundo e da sociedade, e por isso mesmo compartilha tanto as bem-aventuranças quanto as desventuras de seu povo e seu tempo. Ao despedir-se de seus discípulos, Jesus orou pedindo “não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno” (João 17.15). A esperança e as convicções espirituais não isentam das responsabilidades e dinâmicas da vida no mundo, e por isso mesmo o apóstolo Paulo nos recomenda: “exerçam a sua cidadania de maneira digna do evangelho de Cristo” (Filipenses 1.27).

A igreja tem uma inescapável função social. A igreja, em suas palavras e ações, seu kerigma e sua práxis, profetiza, ensina e serve. Walter Brueggemann, teólogo e catedrático do Antigo Testamento, disse que profetizar não é predizer o futuro, é falar a verdade a respeito do tempo presente. A verdade de hoje é que enfrentamos uma pandemia e não podemos ser displicentes nos cuidados necessários à sua superação. A medida extrema de cancelar as celebrações dominicais presenciais é também um ato pedagógico, um alerta àqueles ainda negligentes face à gravidade da situação. Acima de tudo, evitando os grandes ajuntamentos a igreja atua de maneira responsável e cuidadosa não apenas para com seus frequentadores, como também para com toda a sociedade.

Dias difíceis, medidas extremas. Diante dos imensos e múltiplos desafios impostos pelo advento do novo coronavírus vale a máxima dos Beneditinos: ora et labora. Joelhos ao chão e mãos estendidas na direção de quem sofre. Confiança em Deus e ação diligente, inteligente, amorosa e solidária para zelar pela saúde e bem-estar do mundo.

Fonte/imagem: br.freepik.com

Ed René Kivitz

Posted by Ed René Kivitz

Ed René Kivitz é teólogo, mestre em Ciências da Religião, pastor da Igreja Batista de Água Branca, em São Paulo.