Aimee McPherson: uma mulher de coragem no seio do pentecostalismo

Assessoria de Comunicação/CONIC

*Publicado originalmente no CONIC.

De um modo geral, estamos acostumados a associar o movimento pentecostal a líderes carismáticos homens: sempre de ternos, olhar sério e, por detrás deles, uma grande multidão a ouvir suas palavras. Parece até uma regra. E em muitos casos é mesmo, basta pensar, por exemplo, nas grandes denominações pentecostais e neopentecostais atuantes no Brasil.

Muito embora o papel das mulheres na história do movimento pentecostal tenha sido preponderante e, em várias situações, até decisivo, algumas vezes isso acaba sendo ocultado das “histórias oficiais” de suas igrejas. Propositalmente ou não, os nomes dessas mulheres são deixados em um segundo plano, e terminam esquecidos com o passar das gerações. Mas a história de Aimee McPherson, fundadora da Foursquare Gospel Church, foge à regra.

Nascida no Canadá, em 1890, ano em que mulheres ficavam mal vistas se falassem em público, não podiam votar e eram tidas como propriedade de seus maridos, Aimee McPherson passou para a história como a fundadora de uma das igrejas pentecostais de maior sucesso até hoje. 

O começo

Aimee nasceu numa família bastante religiosa, em 9 de outubro de 1890. Seus pais, James Morgan Kennedy e Mildred Ona Pearce, educaram a menina, filha única do casal, nos preceitos da fé protestante/evangélica. James era praticante metodista e Mildred era salvacionista (Exército de Salvação). Aliás, o pai de Mildred, avô de Aimee, foi um evangelista salvacionista na Inglaterra.  Na adolescência, dos 14 aos 16 anos, e já morando nos Estados Unidos – os pais dela deixaram o Canadá por motivos particulares – Aimee passou a questionar alguns dos ensinamentos que recebia acerca de Deus, da fé, da igreja, e acabou tomando alguma distância dos assuntos religiosos. Seu pai, preocupado com a situação, decidiu levá-la a um culto de avivamento. Lá, ela foi fortemente impactada pela mensagem do pregador irlandês Robert Semple – com quem veio a se casar em 1908. Com ele, foi à China viver como missionária. Lá, ambos adoeceram. Robert morreu. Viúva e com um bebê de apenas 13 semanas, fruto do casamento, Aimee teve de voltar aos Estados Unidos. 

Como muitas mulheres de sua época, não restou muita alternativa senão um segundo casamento. Casa-se com Harold Stuart Mcpherson. Ao contrário do primeiro esposo, Harold tinha outras pretensões que não a missão evangelística. Por não conseguirem encontrar um denominador comum, já que Aimee dedicava bom tempo de sua rotina à pregação, o casal acabou se separando em 1921. Ao todo, a união durou 9 anos.  Nessa época, Aimee estava se tornando a evangelista mais famosa dos Estados Unidos. Seu talento para pregar e articular ideias, chamando as pessoas ao batismo, literalmente arrebanhava multidões. Entre 1922 e 1923 ela funda a Foursquare Gospel Church, conhecida no Brasil como Igreja do Evangelho Quadrangular (IEQ). Tida como pioneira no uso das mídias para falar de Jesus, em abril de 1924 ela inaugura a rádio a KFSG, a primeira dos EUA ligada à uma igreja. Com isso, rompe mais uma fronteira: tornou-se a primeira mulher a pregar um sermão pelas ondas do rádio

Crise de 1929: o Evangelho é coisa prática

Durante a crise econômica de 1929, os trabalhos conduzidos por Aimee foram determinantes do sentido de “dar pão a quem tem fome”. Ela fazia campanhas de arrecadação de cobertores e roupas, levava médicos aos doentes que não podiam pagar por um atendimento, e chegou a comprar maquinários de costura para empregar algumas pessoas.  Em 1930, sua produção estava no ápice: chegava a pregar 20 sermões semanais, comandava programas de rádio, escrevia livros, hinos e outros artigos de conteúdo cristão. Ao longo da vida, compôs nada menos que 105 hinos e 13 óperas sacras. Com pouco mais de 40 anos de idade, em 1931, casou-se pela terceira vez. David Hutton era um artista: cantava e atuava. O fato gerou revolta em função de que seu ex-marido, Harold, ainda estava vivo. Para os padrões da época, ela só poderia se casar novamente caso Harold estivesse morrido… A união com David durou só 3 anos. Como mulher, na década de 30 do século XX, não é difícil imaginar o quanto ela deve ter sido criticada, apedrejada, tida como instável e chamada por adjetivos nada respeitosos.

Declínio e morte

A partir da década de 1940 sua saúde física começa a ficar debilitada. Até que em 26 de setembro de 1944 vem a falecer. Imperfeita como cada um de nós (1 João 1:8), Aimee deixou o legado de uma mulher guerreira, corajosa, que não tinha medo de enfrentar os padrões de seu tempo, diferenciando claramente o que é Evangelho e o que é tradição, costume de homens. A fundadora Igreja Quadrangular, ainda hoje, inspira uma legião de seguidores mundo afora e, embora sua teologia não apresente notáveis diferenças da maioria das outras igrejas pentecostais existentes, o fato dela, como mulher, ter sido a fundadora e líder de uma das maiores denominações evangélicas hoje em atividade no mundo, isso num período extremamente adverso às mulheres, já torna sua biografia muito singular.

Pioneirismo

Em um contexto onde mulheres mal podiam falar em público, é extremamente salutar perceber o quanto Aimee desafiou a lógica religiosa da época. Quando quase ninguém pensava em usar meios de comunicação para chegar até as casas das pessoas, Aimee utilizou o rádio para alcançar audiências até então impensáveis. Carismática, serviu de inspiração, anos mais tarde, para o televangelismo – pregação de mensagens evangélicas por meio da TV.  Revista Time Recentemente, a Revista Time, com objetivo de corrigir um desequilíbrio histórico na escolha da Pessoa do Ano (apenas cinco mulheres, individualmente, foram homenageadas em suas edições tradicionais), criou uma edição especial na qual elegeu uma “mulher do ano” desde 1920. Para o ano de 1926, Aimee foi a escolhida. 

Sob muitos aspectos, podemos aprender com a coragem, a inteligência, a caridade e o senso de inovação que essa mulher possuiu! Que seu exemplo inspire a cada um e cada uma de nós. 

REFERÊNCIAS

– Sutton, Matthew Avery. Aimee Semple McPherson and the Resurrection of Christian America

– Blumhofer, Edith L. Aimee Semple McPherson: Everybody’s Sister

– Brazilian Foursquare Church: Aimee Semple McPherson (site)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp