Pesquisa alerta que sete em cada dez brasileiros acreditam em fake news sobre Covid-19

Publicado originalmente no site Coletiva.net, em 14/05/2020

A organização de pesquisa e petições online Avaaz divulgou um levantamento sobre as fake news durante a pandemia de Covid-19. Conforme o estudo, sete em cada 10 brasileiros acreditam em notícias falsas relacionadas ao novo coronavírus. O índice representa cerca de 110 milhões de pessoas. 

Ainda segundo o estudo, o WhatsApp é o principal vetor de desinformação. Já o Facebook aparece em segundo lugar no ranking, com cinco entre 10 internautas do País recebendo e repassando conteúdos mentirosos. 

A coordenadora de campanhas da Avaaz, Laura Moraes, salientou o risco que esses dados demonstram. “Mais preocupante ainda é que 110 milhões de brasileiros acreditam em ao menos uma notícia falsa que afeta as decisões que as pessoas tomam para se proteger. Isso pode levar cada indivíduo a contagiar centenas de pessoas com o coronavírus, anulando os esforços de médicos e do poder público”, explicou ela.

Comparado aos Estados Unidos e à Itália, o problema das fake news é maior no Brasil, de acordo com a pesquisa. Enquanto 73% dos brasileiros já acreditaram informação falsa, entre os norte-americanos o índice cai para 65%, e para 59% entre os italianos.

A notícia boa é que 80% dos entrevistados pela Avaaz responderam que gostariam de ver informações de correção feitas por agências verificadoras de fatos. No entanto, 57% afirmam que nunca viram as retificações ou algum alerta de conteúdo falso em plataformas digitais.

Esta classificação dos conteúdos por meio das etiquetas não é uma certificação da verdade, mas um guia para orientar a leitura crítica de notícias. O intuito é contribuir para que o/a leitor/a tenha acesso a uma maior pluralidade de pontos de vistas e, assim, amplie as alternativas possíveis de avaliação das informações que recebe diariamente nas mídias digitais.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *