Bereia participa da série especial “Não bote Fé nas fake news”

O jornal Le Monde Diplomatique Brasil publicou em 16 de maio o artigo “Fake news nas igrejas: uma epidemia a ser curada” escrito pela editora-geral do Bereia, Magali Cunha, em parceria com a equipe da Coordenadoria Ecumênica de Serviço (Cese). A matéria abre a série “Não bote fé nas fake news”, que trata sobre o fenômeno da desinformação em comunidades de fé e como ele afeta a democracia brasileira. 

Produzida pelo jornal em parceria com a Cese, a série especial preparou um podcast com cinco episódios que podem ser ouvidos no Spotify ou diretamente no site do jornal.
Neste link você acessa o artigo “Fake news nas igrejas: uma epidemia a ser curada” e aqui pode acompanhar os demais episódios do podcast.

Foto de capa: Pixabay

Bereia participa de reportagem sobre fake news produzidas por evangélicos

O jornal Folha de S. Paulo elaborou reportagem a respeito das fake news que estão sendo elaboradas por redes de apoiadores evangélicos do presidente Jair Bolsonaro (PL-RJ) sobre seus virtuais opositores nas eleições deste ano. A repórter Anna Virginia Baloussier listou uma série de conteúdos que estão circulando nas mídias sociais envolvendo montagens e declarações fora de contexto de Luis Inácio Lula da Silva e Sergio Moro. A maioria evocando o pânico moral e a cristofobia. A editora-geral do Bereia, Magali Cunha, contribuiu com uma análise do cenário:

“Historicamente, as desinformações relacionadas à moralidade religiosa “afetam fortemente ambientes religiosos”, diz Magali Cunha, editora-geral do Bereia, coletivo que analisa potenciais inverdades que abordem conteúdos sobre religião —em pouco mais de dois anos, foram 285 checagens. Vide a mamadeira com bico em formato de pênis supostamente distribuída em creches paulistanas, mais infame notícia falsa a atingir a campanha do presidenciável Fernando Haddad (PT) em 2018.

Cunha aposta, contudo, que em tempos de crise econômica, quando a população se vê às voltas com fome e desemprego, “estas pautas perdem força de afetação”. Nas eleições municipais de 2020, por exemplo, já arrefeceram um bocado. “Neste caso, o acionamento do imaginário do inimigo e da perseguição a cristãos, como o tema da cristofobia, tende a ser mais explorado.”

O tema ainda repercutiu no podcast Café da Manhã, também da Folha, no qual o Bereia foi citado como referência na checagem de desinformação em mídias religiosas.

***

Imagem de capa: reprodução da Folha de S. Paulo. Fotos de Ueslei Marcelino/Reuters, Marlene Bergamo/Folhapress e Evaristo Sá/AFP