Não é possível afirmar que terreiros de candomblé estejam promovendo proselitismo em shoppings

Vídeos em que pessoas vestidas com as indumentárias de orixás do candomblé estariam dançando e cantando em shoppings viralizaram em mídias sociais. Os vídeos em questão não dizem onde ou quando as imagens foram feitas, mas em legendas os usuários levam à compreensão  de que o ato se deu após evangélicos começaram a cantar e pregar em centros comerciais. Com estas postagens se afirma que tais manifestações seriam uma resposta e uma tentativa de evangelização por parte dos candomblecistas. 

Evento no shopping

Em perfis do Twitter  foi informado que o “ato” em questão diz respeito a uma ação de marketing do Shopping Barra, realizada anualmente,  com o nome “Lavagem do Barra”. O evento  é parte de uma série de intervenções culturais que acontecem no shopping a fim de anunciar a primeira liquidação do ano, entre os meses de janeiro e fevereiro. O Shopping Barra fica em Salvador (Bahia), próximo ao Farol da Barra, ponto turístico da cidade. 

A intervenção publicitária faz alusão ao evento popularmente conhecido como a Lavagem do Bonfim, evento inter-religioso que acontece no segundo domingo após o Dia de Reis, em janeiro, e consiste no cortejo entre as Igrejas da Conceição da Praia e do Senhor do Bonfim e a lavagem de suas escadarias.

No entanto, as imagens mostram pessoas vestidas como orixás, e não baianas. Bereia entrou em contato com o Shopping Barra e com o dono do perfil que divulgou as imagens para checar se elas se referem, de fato, ao evento. Porém até o fechamento deste texto não obteve resposta.  

Intervenções evangélicas em espaços públicos 

Recentemente viralizaram em grupos e perfis religiosos imagens e vídeos de pessoas cantando músicas e fazendo pregações em shopping e supermercados. A iniciativa surgiu no fim de 2022 e, de acordo com a igreja organizadora, pretende se repetir todo último sábado do mês, dia em que Flash mobs (atos de intervenção pública e urbanas) serão realizados em shoppings e mercados de maior movimentação de suas cidades. 

Por ter sido movimento aparentemente espontâneo, as ações provocaram a circulação de postagens de exaltação ao ato, como um “avivamento”. Porém,  o que aconteceu em várias cidades do país, faz parte do projeto IDE de evangelização, criado pela Igreja Fonte da Vida, que tem por principal objetivo propagar a palavra de Deus para fora da igreja adentrando em lugares de massiva movimentação de pessoas. 

Imagem: reprodução do Instagram

Todavia, essa ação não representa necessariamente uma novidade para com as práticas de proselitismo e evangelização da Igreja. É possível encontrar vídeos publicados há pouco mais de sete anos em que essa mesma prática é realizada em praças de alimentação de shoppings. O termo IDE também foi usado nesses vídeos.   

 Bereia apurou que  religiões de matrizes afro-ameríndias e afro-brasileiras não têm a prática de realizarem intervenções urbanas com o objeto de fazer proselitismo, uma vez que o ato de conversão por convencimento não  pertence à atividade dessas expressões religiosas. Em sua dissertação de mestrado pela Universidade de Brasília, a pesquisadora e advogada Milene Santos lembra que não apenas religiões de matriz afro não praticam o proselitismo público, como elas são um dos principais alvos das práticas de intolerância e importunação religiosa da parte de cristãos.

***

Bereia classifica como inconclusiva a notícia de que fiéis  do candomblé estariam praticando proselitismo e apelo à conversão em shoppings. Embora determinados eventos do calendário cívico secular tenham sido sincretizados e fazerem parte de comemorações de fiéis afrorreligiosos (a exemplo, a Lavagem do Bonfim) não é comum às religiões de matrizes afro-ameríndias realizarem atos de conversão pública. Também não é possível afirmar, até o momento, que as imagens que circularam referem-se a uma ação publicitária de um shopping em Salvador.

Referências de checagem:

Instagram.

https://www.instagram.com/reel/CnFnKo4qBK3/?utm_source=ig_web_copy_link Acesso em: 01 abr 2023

https://www.instagram.com/shoppingbarra/ Acesso em: 01 abr 2023

https://www.instagram.com/p/CqDKHkFtMDm/?utm_source=ig_embed&utm_campaign=embed_video_watch_again Acesso em: 01 abr 2023

https://www.instagram.com/reel/Cp-RN5sssYQ/?utm_source=ig_embed&ig_rid=105a47e9-c958-4908-8c62-28647e665e71 Acesso em: 01 abr 2023

Carta capital. https://www.cartacapital.com.br/sociedade/o-que-e-quem-esta-por-tras-das-cantorias-evangelicas-em-shoppings-e-supermercados/Acesso em: 01 abr 2023

Pleno News. https://pleno.news/fe/projeto-leva-evangelicos-a-louvar-em-shoppings-e-cenas-viralizam.htm Acesso em: 01 abr 2023

Guia Me. https://guiame.com.br/gospel/mundo-cristao/supermercado-e-shopping-no-rio-sao-tomados-por-adoracao-isso-e-ser-igreja.html Acesso em: 01 abr 2023

Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=5oQ1byJoE3U Acesso em: 01 abr 2023

Repositório UNB. https://repositorio.unb.br/handle/10482/13873  Acesso em: 01 abr 2023

Twitter. https://twitter.com/kalliloliveira_/status/1639798667493232641?t=Be95v-cOY6Nyczk0KVLvCw&s=19  Acesso em: 01 abr 2023

Portais de notícias religiosas desinformam quanto a suposto projeto comunista para crianças

Circula em portais de notícias religiosas um vídeo com uma fala descontextualizada da advogada Laura Astrolabio, sobre um suposto projeto político da “esquerda comunista” que visa infiltrar-se em igrejas evangélicas, para a cooptação de crianças em prol das políticas comunistas. 

Imagem: reprodução do Instagram

Em evento da Revista Fórum, intitulado “Mulheres no poder em um momento bolsonarista!, transmitido ao vivo no domingo, 11 de setembro de 2022, a advogada e estudante de Mestrado em Direitos Humanos (UFRJ) Laura Astrolabio dialogou com a candidata a deputada estadual, Benny Briolly (PSOL, RJ), que se destaca como primeira vereadora transsexual do Rio de Janeiro, e a ativista política e candidata a deputada estadual Chirley Pankará (PSOL, RJ), que é liderança indígena do povo Pankará, sob a mediação do jornalista Anderson Morais. 

Imagem: reprodução site Revista Fórum

O grupo de debatedoras abordou temas ligados às pautas feministas, etnicidades, patrimônio sociocultural, intolerância religiosa, gênero e sexualidade. Tais temas tiveram como fio condutor o combate às pautas políticas conservadoras da extrema-direita. O trecho do debate que vem ganhando repercussão nos meios de comunicação religiosos, por meio de vídeo, é um fragmento da fala de Astrolábio, em que ela afirma.    

“[…] Acho que a gente precisa conversar coletivamente, No mestrado eu cheguei a falar uma vez que a gente tinha que se infiltrar nas igrejas. Outro dia eu encontrei uma amiga minha da época em que eu era da igreja, porque eu fui cristã durante 30 anos, eu já fui até para Jerusalém, no dia em que contar o que foi essa viagem, eu acabo com o Cristianismo no Brasil”, disse, e continuou, “eu falei ‘amiga, vamos voltar pra igreja’, porque hoje eu sou candomblecista, não tenho um terreiro que eu vá frequentar, porque eu não sou religiosa, mas eu amo os orixás, agora, que nós temos que voltar para a igreja, ou ir para ela, a gente tem. Ela [e a amiga] disse que eles (fiéis) não iriam permitir, e eu disse ‘quem disse que a gente vai falar pra eles? a gente vai para a escolinha dominical’. O que mais a igreja quer é pegar uma irmãzinha pra tomar conta das crianças. Enquanto eles estão no culto, tem uma sala de aula cheia de crianças. Aí você pega a Bíblia e começa a falar que Jesus amava os pobres e que os ricos não entrarão no Reino dos céus…”, explicou a advogada. 

Imagem: reprodução do Youtube

A fala em questão ocorre após a participante ser questionada sobre a existência dos “pobres de direita”. Na resposta que abordou a  integração entre política e religião,  a advogada deu um exemplo  para ilustrar como esquerdas podem enfrentar o conservadorismo da extrema-direita: “infelizmente essa pessoas [os pobres de direita] não têm acesso a esses debates, a essas discussões, os debates feitos dentro dos partidos políticos não chega a essas pessoas […], então eu acho que temos que pensar em estratégias para fazer esse debate chegar lá, a eles”, disse. 

O trecho selecionado do discurso de Laura Astrolábio, usado para denunciar planos da “esquerda comunista para ocupar as igrejas”, segundo várias postagens em mídias sociais,  refere-se a possíveis estratégias de enfrentamento da extrema-direita. Na concepção da advogada, as pessoas devem se “armar” (simbolicamente) de seus direitos constitucionais e lutar por suas demandas, “o Estado é laico e a gente tem que cobrar”. Para ela,  a extrema-direita deve ser combatida por meio de ferramentas de reeducação cívica e militância organizadas. 

Ouvida para avaliar o caso, a pesquisadora em Comunicação e Religiões e editora-geral do Bereia Magali Cunha pondera:

Ao falar para um público de esquerda (seguidores da revista Fórum), a advogada Laura Astrolabio opta por usar as igrejas evangélicas em exemplo, por meio de um discurso crítico, com expressões exageradas como ‘eu fui cristã durante 30 anos, eu já fui até para Jerusalém, no dia em que contar o que foi essa viagem, eu acabo com o cristianismo no Brasil’, e de oposição, como ‘hoje eu sou candomblecista, não tenho um terreiro que eu vá frequentar, porque eu não sou religiosa, mas eu amo os orixás’. Ela introduz a fala sobre o processo educativo com ‘a gente tinha que se infiltrar nas igrejas’ e segue com o discurso crítico e o exemplo do espaço importante das escolas dominicais com as crianças”. 

Magali Cunha considera que “não há qualquer problema em alguém enxergar que as  igrejas, por meio das escolas dominicais e do trabalho com crianças, sejam vistas como espaço em que a educação para a realidade da desigualdade social (pobres x ricos) deveria ser praticada. Porém, o que vemos neste caso é que o uso do exagero, “eu acabo com o Cristianismo”, junto com “a gente tinha que se infiltrar”, mais o termo “criancinhas” como alvo de uma possível ação educativa para a crítica, formam um conjunto de expressões inadequadas em um discurso público pela internet, que certamente geram desconforto justificável em pessoas das igrejas evangélicas, e são um ‘prato cheio’ para produtores de desinformação e de pânico moral contra candidaturas de esquerda nestas eleições, tendo como alvo os o segmento evangélico”. 

A professora acrescenta que “na era digital, produtores de conteúdo e participantes de espaços de debate precisam usar de sabedoria com o que expressam publicamente. A máxima hoje é ‘tudo o que você disser pode ser usado contra você e contra seus pares’, afinal, tudo pode ser manipulado e sempre há quem acredite no que se produz deliberadamente para enganar”.

****

Bereia classifica o conteúdo disseminado em vídeo em espaços digitais religiosos, com trecho da fala da advogada Laura Astrolábio, em evento da revista Fórum, como enganoso. 

O discurso em questão, que contém termos críticos e exagerados sobre as igrejas, foi recortado, descontextualizado e relativizado para tornar possível a defesa de uma proposta de intervenção política organizada por uma suposta “esquerda comunista”. A fala completa da advogada diz respeito a políticas de militância e enfrentamento ao racismo e misoginia, atuação política baseada em um regime de Estado laico e democrático.  

Referências de checagem:

Bereia. https://coletivobereia.com.br/desinformacao-e-intolerancia-religiosa/ Acesso em: 16 de set. 2022

Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=swbub6ep0Y8 Acesso em: 16 de set. 2022

Documentos Revelados. https://documentosrevelados.com.br/wp-content/uploads/2015/08/carlos-marighella-manual-do-guerrilheiro-urbano.pdf Acesso em: 16 de set. 2022

A tenda das candidatas. http://atendadascandidatas.org/campanhas/a-conta-nao-fecha Acesso em: 16 de set. 2022

CNN Brasil. https://www.cnnbrasil.com.br/politica/vereadora-trans-benny-briolly-diz-ter-recebido-ameaca-de-morte-por-e-mail-de-deputado/ Acesso em: 16 de set. 2022

***

Foto de capa: frame de live da Revista Fórum

Suposta matéria do portal G1 sobre Lula mudar a Bíblia viraliza em grupos religiosos

A imagem de um print de matéria com característica visual do portal de notícias G1, do Grupo Globo, com o título “Lula diz: ‘No meu governo, Bíblia vai adotar pronome neutro e não terá mais o nome de Jesus”, circulou intensamente em grupos de igrejas no WhatsApp e em perfis e páginas de mídias sociais com identidade religiosa na terceira semana deste mês de junho.  Com data de 7 de maio de 2022, a postagem, que não divulga a matéria na íntegra, mas apenas a seção “Política”, o título e a autoria de “Astolfo Mendes”, com data, hora e período de atualização, continha a linha fina (com erro ortográfico) “Ex-presidente profere a fala enquanto estava acompanhado por liderenças do Candomblé”.

Imagem: reprodução do Facebook

O G1 e a assessoria de comunicação do ex-presidente Lula desmentiram o conteúdo da imagem, mas, ainda assim, ela continuou sendo compartilhada por vários dias. O projeto de checagem “Fato ou Fake” do G1 afirmou que o portal “não publicou reportagem com esse título” e que “a imagem que circula nas redes sociais é uma montagem obtida por meio de fraude”. Já o projeto de checagem da campanha do ex-presidente “Verdade na Rede” declarou que a postagem é mentirosa e que ela “é coisa de bolsonarista que bota foto de político no livro sagrado”.

De fato, não há registros de qualquer manifestação pública de Lula sobre este tema para se inferir que o candidato à Presidência nas eleições de 2022 tencione realizar tal projeto. Além disto, este tipo de afirmação, baseada em terrorismo verbal para capturar a atenção e gerar compartilhamentos entre cristãos contrários à eleição do ex-presidente, pode ser classificada como bizarra. Conforme instruções básicas para identificação de conteúdo desinformativo nas mídias sociais, material “bizarro”, que cause estranheza por tratar de algo anormal, incomum, absurdo, que chegue a causar incômodo por conta disto, deve ser sempre tratado com suspeita. Neste caso, é anormal, incomum, que um líder político se revista do poder ou se incumba da tarefa de, agindo de forma autoritária, alterar as escrituras de qualquer religião que adote um livro sagrado.

Ademais, o conteúdo induz à intolerância religiosa pois atrela a falsa intenção de alteração da Bíblia à companhia de lideranças do Candomblé. 

Este tipo de terrorismo verbal vem sendo usado contra lideranças demonizadas por grupos que lhes fazem oposição. Bereia já publicou uma verificação sobre o mesmo tema que envolveu o nome do Papa Francisco, alvo de conteúdo falso que dizia que ele cancelaria a Bíblia e proporia um novo livro.

Juntamente com outros projetos de checagem de conteúdo que verificaram a suposta matéria do portal de notícias G1, Bereia classifica a postagem que induz a pensar que Lula mudará a Bíblia como falsa

Bereia também alerta leitores e leitoras sobre este tipo de desinformação que circula em torno das eleições 2022 para enganar cristãos e cristãs com pânico e terrorismo verbal. Qualquer conteúdo que tenha caráter bizarro como “mudar a Bíblia” ou “acabar com/fechar as igrejas” deve ser desacreditado e denunciado. A intenção de quem publica este tipo de conteúdo de forma intencional é desqualificar opositores com mentiras e enganos e usar cristãos, pessoas de boa vontade, tomando-os por crentes ingênuos. Esta ação, que repete ocorridos nas eleições de 2018, representa desprezo à prática democrática em processos eleitorais que devem passar pelo debate de ideias e de projetos de nação.

Referências de checagem:

G1. https://g1.globo.com/fato-ou-fake/noticia/2022/06/13/e-fake-que-lula-disse-que-em-seu-governo-biblia-vai-adotar-pronome-neutro-e-nao-tera-mais-o-nome-de-jesus.ghtml Acesso em: 16 jun 2022.

Lula. https://lula.com.br/lula-nao-vai-alterar-a-biblia-isso-e-coisa-de-bolsonarista-que-bota-foto-de-politico-no-livro-sagrado Acesso em: 16 jun 2022.

Aos Fatos. https://www.aosfatos.org/noticias/lula-nao-disse-que-vai-tirar-nome-de-jesus-da-biblia/ Acesso em: 16 jun 2022.

Foto de capa: Ricardo Stuckert