Distribuição em massa de ivermectina não está ligada aos números da covid-19 na África

*Verificado por Luciana Petersen e Juliana Dias, do Coletivo Bereia, em parceria com Estadão, Correio, GauchaZH e Rádio Noroeste. Investigação por Alma Preta, Niara, NSC Comunicação e Rádio Band News. Publicado originalmente no Comprova.

É enganoso relacionar a incidência relativamente baixa da covid-19 em alguns países africanos com a distribuição de ivermectina para o tratamento de doenças causadas por parasitas. A sugestão foi feita pelo presidente Jair Bolsonaro em um tuíte, no dia 5 de janeiro.

Apesar dos números relativamente mais baixos de casos de coronavírus nos países do continente africano – sobretudo na comparação com os registros na Europa e nas Américas -, especialistas descartam qualquer relação com o uso de ivermectina. Para a própria Organização Mundial da Saúde, os resultados positivos no combate à pandemia podem ser atribuídos às medidas de distanciamento físico e social e à ampliação da capacidade do sistema de saúde.

Outros fatores, como a experiência com epidemias, o fato da circulação de pessoas entre o continente e outras partes do mundo ser menor e a idade média mais baixa da população, também são apontados como possíveis influenciadores nos níveis da covid-19. Além disso, em vários países africanos, há a possibilidade de subnotificação dos casos do novo coronavírus.

O Programa Africano para Controle da Oncocercose (APOC, na sigla em inglês), de fato distribuiu milhões de doses de ivermectina para o tratamento da doença também conhecida como “cegueira do rio” em alguns países africanos, mas a iniciativa, mencionada na postagem, foi interrompida em 2015. No ano seguinte, outro programa da Organização Mundial da Saúde (OMS), o Projeto Especial Expandido para Eliminação de Doenças Tropicais Negligenciadas, passou a distribuir a ivermectina e outros medicamentos para o combate a outras doenças comuns no continente e em outras partes do mundo. Em 2019, ano anterior à pandemia da covid-19, 152,9 milhões de pessoas receberam tratamento com ivermectina em países da África – em meio a uma população de mais de 1,3 bilhões de pessoas. A droga, porém, não tem eficácia comprovada contra o novo coronavírus. A própria OMS não recomenda a utilização do medicamento para o tratamento da infecção pelo Sars-CoV-2.

Como verificamos?

O primeiro passo da verificação foi checar os números da covid-19 no continente africano, especificamente nos países listados no tuíte. Para isso, utilizamos os dados disponibilizados pela própria Organização Mundial da Saúde.

Em seguida, buscamos reportagens e publicações científicas que tentam explicar o motivo para a incidência relativamente mais baixa da covid-19 na África.

Sobre a distribuição de ivermectina, consultamos os registros da OMS relativos ao Programa Africano para Controle de Oncocercose e ao Projeto Especial Expandido para Eliminação de Doenças Tropicais Negligenciadas. Em boletins semanais, a Organização divulgou o número de comprimidos de ivermectina distribuídos globalmente e em países da África.

Em uma última etapa, buscamos informações sobre a eficácia da ivermectina no tratamento da covid-19. Consultamos o posicionamento divulgado por órgãos como a OMS, a Anvisa e a FDA, além de entrevistas anteriores feitas pelo Projeto Comprova com diversos especialistas.

O Comprova fez esta verificação baseado em informações científicas e dados oficiais sobre o novo coronavírus e a covid-19 disponíveis no dia 13 de janeiro de 2021.

Verificação

A covid-19 no continente africano

É verdade que os números de óbitos em decorrência da infecção pelo novo coronavírus nos países africanos listados por Bolsonaro são menores do que os registrados no Brasil. Porém, os dados apresentados na tabela anexada ao tuíte não refletem exatamente os dados de covid-19 do dia 4 de janeiro. Os dados atualizados pelo site oficial utilizado pela OMS mostram números superiores já no relatório do dia 3 de janeiro. Segue relação de infectados/vítimas fatais dos países selecionados pelo presidente:

PAÍSCASOS CONFIRMADOSMORTES
Angola17.642408
Camarões26.848448
República do Congo17.997596
Etiópia125.6221.948
Moçambique19.309169
Nigéria90.0801.311
Quênia96.8021.685
África Central4.96363
Ruanda8.676101

Fonte:Organização Mundial da Saúde| dados de 03/01/2021

Inicialmente, a expectativa de especialistas e analistas de todo o mundo era de que o número de mortes pelo novo coronavírus e as taxas de infecção pela doença no continente africano fossem altas, em função do alto índice de populações vivendo em condição de vulnerabilidade. A dificuldade de acesso aos equipamentos de proteção e higiene supostamente sustentava essas previsões. Porém, os números são outros e não há ainda uma confirmação científica sobre a causa dos números baixos nesta região.

Além da possibilidade de subnotificação dos casos e mortes pelo novo coronavírus em vários países da África, apontada desde os primeiros meses de 2020, especialistas também levantam outras hipóteses para a incidência da doença no continente.

Em maio, em uma entrevista à BBC, o especialista em saúde global e emergências sanitárias no Centro de Genebra para Educação e Pesquisa em Ação Humanitária, Karl Blanchet, também destacou o fato da população de vários países africanos já ter lidado com outras epidemias graves no passado. Na mesma reportagem, o especialista africano em saúde pública da equipe de medicina tropical e humanitária do Hospital Universitário de Genebra, Frederique Jacquerioz, aponta a “baixa circulação existente entre os países do continente e o resto do mundo”.

A capacidade de resposta a pandemias, a imunidade da população, já afetada por outras doenças e a média etária mais baixa – já que o continente possui a população mais jovem do mundo – também são apontadas pelo pesquisador do Centro de Relações Internacionais em Saúde da Fundação Oswaldo Cruz, Augusto Paulo Silva, ouvido em outubro pela Agência Brasil.

Uma matéria da revista Época que analisa este mesmo tuíte de Bolsonaro relembra que em junho de 2020, a diretora regional da OMS na África, Matshidiso Moeti, atribuiu o bom desempenho destes países na pandemia às medidas de isolamento implementadas e melhorias realizadas no sistema de saúde.

“O que o Brasil pode aprender? Os países da África, desde muito cedo, implementaram medidas muito significativas de distanciamento social e físico. Isso nos deu um tempo a mais. Ao mesmo tempo, esses países trabalharam duro para ampliar a capacidade do sistema de saúde”, afirmou Moeti.

O Programa Africano para Controle de Oncocercose

A tabela publicada no tuíte do presidente menciona a distribuição em massa de ivermectina feita pelo Programa Africano para Controle de Oncocercose (Apoc, na sigla em inglês), voltado ao combate da doença, também chamada de “cegueira do rio”, por meio da aplicação de ivermectina. No entanto, o programa foi encerrado em 2015, após 20 anos de ações. Os últimos dados disponíveis na página do programa no site da OMS apontam que 100,8 milhões de pessoas nos países que integravam a iniciativa recebiam tratamento regular até o fim de 2012.

A partir de 2016, outra iniciativa teve início para suceder o programa – o Projeto Especial Expandido para Eliminação de Doenças Tropicais Negligenciadas (Espen, na sigla em inglês). Este plano também prevê a distribuição de ivermectina, mas também de outros medicamentos para combater outras doenças comuns no continente além da oncocercose, como filariose linfática e esquistossomose.

Em 2019, 152,9 milhões de pessoas receberam tratamento com ivermectina em países da África, conforme registro epidemiológico da primeira semana de novembro de 2020, disponível no site da OMS. Nos nove países citados por Bolsonaro na postagem, 105,4 milhões de pessoas receberam a medicação em massa com ivermectina. No entanto, três desses países não tiveram nenhuma pessoa submetida ao tratamento em 2019 porque, segundo o relatório, ele não era mais considerado necessário. São eles: Moçambique, Quênia e Ruanda.

O número de pessoas tratadas preventivamente corresponde a uma cobertura de 70,4% do total de 217,2 milhões que requerem tratamento preventivo contra a doença oncocercose. Foi o segundo maior número desde 2011, atrás apenas de 2018, quando o alcance atingiu a marca de 160 milhões de pessoas tratadas.

A Nigéria e a República Democrática do Congo foram os países com mais pessoas submetidas à medicação em massa, com 40,7 milhões e 39,8 milhões, respectivamente. Segundo dados de 14 de janeiro de 2021 da OMS, esses países tinham respectivamente o 14º e 15º menor número de mortes por milhão de habitantes por coronavírus na África, com 6,7 e 6,8 óbitos por grupo de 1 milhão. Entre os nove países citados por Bolsonaro, apenas Moçambique aparecia com número proporcionalmente menor de óbitos por covid-19.

A ivermectina e a covid-19

O uso de ivermectina como suposto tratamento ou prevenção ao novo coronavírus foi alvo de outras checagens do Comprova. Uma delas, em dezembro do ano passado, mostrou serem enganosas afirmações do pastor Silas Malafaia sobre o medicamento como medida preventiva à covid-19. Nesta verificação, o médico veterinário Marcelo Beltrão Molento, professor e pesquisador na Universidade Federal do Paraná (UFPR) que estuda a ivermectina há mais de 20 anos e é consultor da OMS, definiu como “uma desinformação gigantesca” dizer que o remédio impede a transmissão do vírus. Ele apontou problemas em alguns estudos conduzidos sobre a droga e possível papel de combater a forma grave de infecção pelo Sars CoV-2, como falta de grupo de controle, disse que comparar cidades de dinâmicas diferentes, como ocorreu em um estudo citado pelo pastor, era um tipo de erro que “enfraquece a credibilidade dos estudos”.

Molento ainda avaliou um estudo laboratorial australiano, que identificou potencial da ivermectina para inibir a reprodução do novo coronavírus em culturas de células de primatas. Ele afirmou que “o fato de ser antiviral in vitro [em laboratório] não prova em absoluto o mecanismo de ação dela em humanos”, já que estudos laboratoriais ocorrem em condições controladas que não podem ser reproduzidas no corpo humano.

Na mesma checagem, a microbiologista clínica e professora da Universidade de Brasília (UnB) Fabiana Brandão, afirmou ao Comprova que muitos dos ensaios clínicos da ivermectina ainda são pré-publicações e precisam passar por revisão por pares. Ela defendeu a necessidade de mais estudos sobre a droga e disse que algumas pesquisas precisam de “metodologias melhor delineadas”.

A OMS e a OPAS “aconselham fortemente contra o uso de ivermectina para quaisquer outros propósitos diferentes daqueles para os quais seu uso está devidamente autorizado”. A Organização Pan-Americana de Saúde chegou a analisar a possível eficácia da ivermectina no tratamento da covid-19 com base em estudos publicados entre janeiro e maio de 2020, e concluiu que nenhum deles – nem os realizados em laboratório, in vitro, nem os que chegaram à fase clínica, comprovavam a eficácia da medicação.

A agência reguladora dos Estados Unidos, Food and Drug Administration (FDA), afirma em seu site que o uso de ivermectina como prevenção à covid-19 deve ser evitado “uma vez que os seus benefícios e segurança para estes fins não foram estabelecidos.”. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) também se posicionou em nota divulgada em julho de 2020 sobre o fármaco afirmando que “até o momento, não existem medicamentos aprovados para prevenção ou tratamento da Covid-19 no Brasil. Nesse sentido, as indicações aprovadas para a ivermectina são aquelas constantes da bula do medicamento”

Por que investigamos?

Em sua terceira fase, o Comprova investiga conteúdos duvidosos relacionados às políticas públicas do governo federal e à pandemia do novo coronavírus. Postagens imprecisas podem ser um risco adicional no contexto da pandemia, que já provocou a morte de quase dois milhões de pessoas no mundo.

O tuíte enganoso do presidente Jair Bolsonaro, do dia 5 de janeiro, teve mais de 38 mil interações, entre retuítes, comentários e curtidas. Em julho do ano passado, o Comprova já havia desmentido vídeos que relacionavam os números da pandemia da covid-19 na África ao uso em massa da ivermectina.

Revista Época também publicou, no começo do mês, uma matéria que questionava a afirmação feita pelo presidente Bolsonaro.

Enganoso, para o Comprova, é conteúdo retirado do contexto original e usado em outro de modo que seu significado sofra alterações; que usa dados imprecisos ou que induz a uma interpretação diferente da intenção de seu autor; conteúdo que confunde, com ou sem a intenção deliberada de causar dano.

Pastores da Igreja Universal Angola tomaram para si o controle de templos em Uganda

*Com contribuições de Elton Rodrigues

[elementor-template id=”1253″]

Foi noticiado pelo site Portal do Trono, em 23 de junho de 2020, que pastores da Igreja Universal do Reino de Deus em Angola tomaram para si o controle de templos em várias províncias do país, com rompimento com a direção da denominação aqui no Brasil.

De acordo com o Portal do Trono:

“os dissidentes acusam a presidência da igreja brasileira de promover evasão de divisas, expatriação ilícita de capital, racismo, discriminação, abuso de autoridade, imposição da prática de vasectomia aos pastores e intromissão na vida conjugal dos religiosos.”

O Coletivo Bereia verificou a veracidade deste conteúdo. Segundo a assessoria de comunicação da Igreja Universal, a organização religiosa está hoje presente em 24 dos 54 países africanos. Só em Angola tem 308 templos, conta com 40 mil pastores e aproximadamente 500 mil membros

Os dissidentes afirmam, segundo matéria da revista IstoÉ, que “o bispo Honorilton Gonçalves, ex-vice-presidente da Record, estaria perseguindo, punindo e intimidando bispos e pastores angolanos, com a imposição de vasectomia aos religiosos e abortos a duas esposas”. Por outro lado, representantes da Igreja Universal, por meio de nota, informam que o grupo espalhou “mentiras absurdas, como essa acusação de racismo”, com o objetivo de causar confusão na comunidade angolana.

“Basta frequentar qualquer culto da Universal, em qualquer país do mundo, para comprovar que bispos, pastores e fiéis são de todas as origens e tons de pele, de todas as classes sociais. Em Angola, dos 512 pastores, 419 são angolanos, 24 são moçambicanos, quatro vieram de São Tomé e Príncipe e apenas 65 são brasileiros”.

afirma a IURD em nota à reportagem

Em relação a obrigatoriedade da vasectomia nos religiosos, a Universal alega ser uma fake news “facilmente desmentida pelo fato de que muitos bispos e pastores da Universal, em todos os níveis de hierarquia da Igreja, têm filhos”.

Ao contrário do que foi dito pelos dissidentes, a instituição afirma que estimula “o planejamento familiar, debatido de forma responsável por cada casal”.

A Igreja Universal do Reino de Deus já estava envolvida em controvérsias em Angola e também em outros países africanos. Em janeiro passado, o diretor do Instituto Nacional para Assuntos Religiosos (INAR) de Angola Francisco Castro Maria, tinha admitido a possibilidade de encerrar as atividades da igreja se fossem comprovadas denúncias apresentadas contra lideranças que estavam sendo investigadas pelas autoridades governamentais. Publicada em 28 de janeiro de 2020, destacou que:

O INAR é vinculado ao Ministério da Cultura de Angola e as possíveis punições estão previstas na Lei de Liberdade Religiosa, aprovada em maio do ano passado (Lei n. 12/19). A Procuradoria-Geral da República daquele país abriu dois processos-crime contra a Igreja Universal. O primeiro visa apurar denúncias de atos contra a integridade de religiosos angolanos, como vasectomia forçadas. O segundo, investiga denúncias sobre envio de dinheiro ao exterior ilegalmente. Além disso, em novembro de 2019, mais de 300 pastores angolanos já tinham se rebelado contra a Igreja Universal. Eles divulgaram um manifesto com duras críticas à instituição e ainda levaram denúncias à Justiça angolana.

Bispo Honorilton (Reprodução: Youtube)

De acordo com matéria da RFI África, Pastores criticavam veemente a pressão da igreja para que se submetessem à cirurgia de vasectomia. “Não encontro respaldo bíblico para isso e não concordo. Não faz parte dos costumes do povo africano. Não é nossa cultura ficar sem ter filhos, sem procriar. Isso significa amor para vocês, brasileiros?”, questionou Nilton Ribeiro, missionário que disse já ter dedicado 27 anos de sua vida à Igreja.

A Igreja Universal, ainda em nota oficial, negou a acusação de perseguição aos pastores angolanos ao afirmar que

através do seu conselho disciplinar, avaliou a conduta e quebra de decoro dos mesmos junto à instituição. Alguns pastores foram desligados por desvio de conduta moral e quebra do estatuto da Igreja. Sobre a suposta perseguição, trata-se de falácias para tentar encobrir o real motivos dos seus desligamentos. Os pastores da Igreja Universal utilizam os bens da igreja para o trabalho do Evangelho. A partir do momento em que os mesmos são desligados da instituição, a Igreja deve ser ressarcida desses bens para que sejam direcionados a outros pastores no trabalho de ganho de almas”.

De acordo com publicações recentes da BBC Brasil, o governo Bolsonaro foi pressionado para agir em favor da igreja brasileira no conflito angolano. As movimentações no Congresso Nacional para buscar apoio político partem do próprio presidente Jair Bolsonaro, do ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, e do embaixador do Brasil em Angola, Paulino Franco de Carvalho Neto.

A IURD na África e o histórico de conflitos

A Igreja Universal do Reino Deus estabeleceu-se na África em 1992, inicialmente em Moçambique. Está presente atualmente em 24 países no continente, com cerca de 450 templos.

Nos países de língua portuguesa, a igreja foi inserida em um contexto pós-guerra civil, em que as pessoas estavam fragilizadas e com inúmeros problemas como a pobreza. Nesse sentido, tornou-se um terreno fértil para adesão de pessoas, tese reforçada pela pesquisadora social moçambicana Teresa Cruz e Silva, da Universidade Eduardo Mondlane, em entrevista à DW.

Templo da Igreja Universal em Nampula, Moçambique. (Foto: DW/Reprodução)

Em 2018 foram encerradas 700 igrejas em Ruanda. O governo local alegou que os estabelecimentos religiosos não tinham as condições mínimas de segurança e higiene para receberem os fiéis. Por outro lado, Phil Clark, pesquisador do Centro de Estudos Orientais e Africanos da Universidade de Londres (SOAS), em depoimento ao DW, acredita que há outro motivo para além da “proteção dos fiéis” para a ação: trata-se do medo de que o poder crescente dos religiosos possa influenciar a política.

“O Governo ruandês notou que essas igrejas também são um ‘negócio’, com poder econômico crescente. Esse poder é visto pelo grande número de fiéis que frequenta igrejas aos domingos de manhã, por exemplo. E esse é o tipo de coisa que o Governo quer conter”,

Phil Clark à DW
Igreja em Kigali (Foto: Getty Images/reprodução)

Em 2019, a BBC noticiou “Revolta contra Igreja Universal gera morte e crise diplomática em país africano”. Na ocasião, a cúpula da Igreja Universal tentou conter uma revolta popular que provocou a depredação de vários templos da igreja e a morte de um adolescente em São Tomé e Príncipe, um dos 23 países africanos onde a denominação brasileira está presente.

O imbróglio teve início ainda em 11 de setembro de 2019, quando um pastor são-tomense da Universal foi preso na Costa do Marfim, acusado de ser o autor de mensagens que denunciariam supostos abusos da igreja contra funcionários africanos.

Os textos atribuídos a ele acusavam a Igreja Universal de privilegiar pastores brasileiros e discriminar clérigos africanos. Segundo conteúdos postados em mídias sociais, a Universal impedia muitos pastores africanos de se casarem ou os obrigava a fazer vasectomia para que não tivessem filhos — assim, poderiam se dedicar integralmente à igreja. Polêmica que, em 2020, mais uma vez, teve destaque pelos meios de comunicação.

O autor também acusava bispos e pastores brasileiros de se apropriarem de valores financeiros recebidos pela igreja, além de “humilhar, insultar, esmagar e escravizar os (pastores) africanos”. Segundo o banco de dados da CIA, a agência de inteligência dos EUA, 2% dos são-tomenses frequentam a Igreja Universal. Sobre o caso da vasectomia, a Igreja afirmou que “o que a Universal estimula é o planejamento familiar, debatido de forma responsável por cada casal”.

Sobre o caso de Angola, em novembro de 2019, já havia sido noticiado pela BBC Brasil que “Pastores da Universal em Angola romperam com Edir Macedo e pedem expulsão de bispos brasileiros”. Em um movimento sem precedentes, pastores angolanos da Igreja Universal anunciaram uma ruptura com o fundador, bispo Edir Macedo, e com o restante da liderança brasileira da igreja, acusando-a de desviar recursos para o exterior, discriminar funcionários locais e de promover a esterilização de sacerdotes africanos.

Os casos polêmicos já vinham acontecendo naquele país desde 2013, quando a Universal foi suspensa temporariamente após 16 pessoas morrerem pisoteadas num culto da igreja.

Bereia classifica a notícia sobre pastores da Igreja Universal do Reino de Deus na Angola terem tomado o controle de templos para si em várias províncias do país, rompendo, assim, com a direção da denominação aqui no Brasil, como verdadeira.

***

Referências de checagem

Portal do Trono. Bispos rompem com Edir Macedo na Angola e tornam Universal independente. Disponível em: https://www.portaldotrono.com/bispos-rompem-edir-macedo-igreja-universal-angola/ Acesso em 23 de julho de 2020

BBC. Revolta contra Igreja Universal gera morte e crise diplomática em país africano. Disponivel em: <https://www.bbc.com/portuguese/amp/brasil-50270551>. Acesso em: 08 de julho de 2020.

Gospel Mais. Líderes da Igreja Universal em Angola são expulsos dos templos por pastores locais. Disponivel em: <https://noticias.gospelmais.com.br/angola-lideres-igreja-universal-expulsos-templos-pastores-136577.html>. Acesso em 08 de julho de 2020

DW. A Igreja Universal do Reino de Deus e o “mercado da fé” em África. Disponível em: <https://amp.dw.com/pt-002/a-igreja-universal-do-reino-de-deus-e-o-mercado-da-f%C3%A9-em-%C3%A1frica/a-36930141>. Acesso em 08 de julho de 2020

Abril. Uma revolta dos fiéis da África contra a Igreja Universal. Disponivel em: <https://veja.abril.com.br/religiao/a-revolta-dos-fieis-da-africa-contra-a-igreja-universal/amp/>. Acesso em 08 de julho de 2020

DW. “Encerramento de 700 igrejas no Ruanda é um ato político”, diz especialista. Disponivel em: <https://amp.dw.com/pt-002/encerramento-de-700-igrejas-no-ruanda-%C3%A9-um-ato-pol%C3%ADtico-diz-especialista/a-42795460> . Acesso em 08 de julho de 2020.

Istoé. Bispos e pastores da Universal da Angola assumem gestão de unidades após rescindir com liderança no Brasil. Disponivel em:<https://istoe.com.br/bispos-e-pastores-da-universal-de-angola-assumem-gestao-de-unidades-apos-rescindir-com-lideranca-no-brasil/>. Acesso em 08 de julho de 2020

Uol. Sob investigação, Igreja Universal pode ser expulsa de Angola. Disponível em: <https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/rfi/2020/01/28/igreja-universal-pode-ser-expulsa-de-angola.amp.htm>. Acesso em 08 de julho de 2020.