Ícone do site Bereia

Lideranças religiosas seguem publicando conteúdo falso contra prevenção à covid-19

Um aviso dado como “Gravíssimo” que circula em mídias sociais, contestando a eficácia das máscaras e indicando a hidroxicloroquina como tratamento bem como a pandemia como produção da China, foi reproduzido em espaços digitais de lideranças religiosas a partir da noite de 3 de junho.

O conteúdo é falso e enganoso e tem por objetivo causar confusão no enfrentamento da pandemia, que já matou mais de 470 mil pessoas no Brasil e, com isso, pode gerar ainda mais mortes. Ademais, busca desacreditar o trabalho de informação da imprensa sobre a covid-19.

Conteúdo falso sobre máscaras já foi verificado pelo Bereia, bem como sobre o coronavírus ter sido produzido na China. A insistência de um tratamento com hidroxicloroquina para prevenção ou cura da covid-19 da parte do governo federal, alvo de investigação da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado (CPI da Covid) também é informação falsa exposta em diferentes matérias do Bereia.

A menção do diretor do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos Dr. Anthony Fauci na postagem desinformativa tem relação com conteúdo falso disseminado pelo Presidente da República Jair Bolsonaro. Em transmissão ao vivo realizada no último dia 3 de junho, o presidente rebateu as críticas por ele não utilizar máscaras de proteção contra a covid-19. 

Bolsonaro recorreu a matéria publicada nos EUA pela CNN, o BuzzFeed News e o Washington Post, a partir de milhares de e-mails que obtiveram, enviados e recebidos por Fauci em 2020. Em um dos e-mails, o médico afirma que máscaras devem ser usadas apenas por pessoas infectadas com o coronavírus. Porém, Bolsonaro omitiu no seu discurso que o e-mail de Fauci era datado de fevereiro de 2020, no início da pandemia, quando ainda se buscava definição de medidas. Cerca de dois meses depois, as autoridades de saúde dos EUA e a Organização Mundial de Saúde (OMS) passaram a recomendar o uso de máscaras para a população em geral.

Imagem: Reprodução de e-mail do Dr. Anthony Fauci publicado em matéria do BuzzFeed News em 04/06/2021

A postagem com o conteúdo falso, intitulado como “Gravíssimo”, emergiu nas mídias sociais na mesma noite da live de Jair Bolsonaro, e foi replicada em vários espaços digitais de lideranças religiosas. Ao verificar estes espaços, Bereia observa que os perfis contêm postagens críticas às medidas de prevenção adotadas por estados e municípios e exaltantes às posturas do governo federal durante a pandemia. 

As medidas de prevenção à covid-19 têm sido amplamente divulgadas em todo o mundo, há mais de um ano, por órgãos de saúde governamentais e privados e instituições que atuam na saúde pública. Estas medidas demandam uso de máscara, lavagem das mãos ou uso de álcool gel, higienização de ambientes, distância de pelo menos dois metros no contato pessoal e rechaço das aglomerações com saída de casa apenas nos casos de necessidade. 

Segundo estas orientações, centralizadas na Organização Mundial de Saúde (OMS), quem usa máscara pode ajudar a prevenir a propagação do vírus para outras pessoas. Isoladamente, as máscaras não são uma proteção contra a covid-19, e o uso delas deve ser combinado com o distanciamento físico e a limpeza das mãos. Deve ser dada atenção ao tipo de máscara e ao uso correto para que haja proteção eficaz. 

***

Pesquisa do Instituto DataSenado, realizada entre 11 e 13 de maio, mostra que 58% de 2,5 mil entrevistados receberam notícias falsas sobre a vacina contra a covid-19 pelas mídias sociais. A grande maioria das pessoas entrevistadas, 85%, respondeu que estas publicações prejudicam muito o combate à pandemia, enquanto 92% querem alguma punição para quem divulga falsas informações sobre vacinas. 

Pela intensidade do trabalho do Coletivo Bereia com o tema, pode-se afirmar que grupos religiosos colaboram com esta disseminação de conteúdo falso, o que é base para mais contaminação e mortes. Apesar de algumas pessoas apagarem as postagens depois de questionadas em público, o ato isolado não é suficiente para corrigir o mal semeado. Uma análise do perfil das postagens destes religiosos revela que eles/elas não mudam de atitude quanto à postura negacionista diante da pandemia e no próximo acesso a postagens como esta verificada aqui pelo Bereia, o conteúdo deverá ser replicado. Por isso é importante que leitores e leitoras que estão entre os 85% dos entrevistados pelo DataSenado estejam atentos a estes perfis nas mídias sociais, que frequentemente disseminam desinformação, para questioná-los e denunciá-los às plataformas de comunicação onde publicam. 

Referências

Jair Bolsonaro, Youtube. https://www.youtube.com/watch?v=pjfBcotB2cE Acesso em: 06 de junho de 2021.

BuzzFeed News, https://www.buzzfeednews.com/article/nataliebettendorf/fauci-emails-covid-response Acesso em: 06 de junho de 2021.

Organização Mundial de Saúde, https://www.who.int/emergencies/diseases/novel-coronavirus-2019/advice-for-public/when-and-how-to-use-masks Acesso em: 06 de junho de 2021.DataSenado, https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2021/05/21/datasenado-maioria-da-populacao-diz-que-a-vacinacao-esta-lenta Acesso em 06 de junho de 2021

Sair da versão mobile