Comunicação e Discriminação

A discriminação é o abuso dos pré-conceitos. Ela acontece quando falhamos em reconhecer as variações, nuanças e diferenças entre pessoas, grupos étnicos e símbolos. De fato, a discriminação pode se manifestar instantaneamente numa mera reação mental ou emocional, quando pensamos em: homem feio, mulher loira, travesti, político, corintiano, carioca, motoqueiro, milionário, pastor, coronel, católico, evangélico, e assim por diante. Simples palavras podem despertar retratos gravados na memória e causar reações diversas, dependendo da experiência e de acordo com os pré-conceitos.

Três razões apontam para o agravamento da discriminação na mídia pós-moderna:

Em primeiro lugar, nós experimentamos o declínio da racionalidade. Todo ser humano tem uma cosmovisão ou um conjunto de valores acerca do mundo, da sociedade, da religião e de si mesmo. Essas ideias foram estruturadas na Era da Razão com um foco meramente cognitivo e coerente. Na Pós-Modernidade, com frequência nos utilizamos de conceitos que são contrários à lógica e à racionalidade. Isso é perceptível na dialética da espiritualidade, na psicologia popular, na gestão e administração de organizações, bem como na forma com que as ciências sociais articulam os reality shows e propagandas nas redes sociais.

Além disso, aceitamos como fato a relativização da verdade. A abrangência das fake news nas redes sociais demonstra claramente a dificuldade que os indivíduos têm para separar e julgar boatos, sentimentos, imaginações, pressentimentos e hipóteses dos fatos reais, acontecimentos concretos, evidências, dados estatísticos e teorias da conspiração. O que é real e o que é imaginário? Terraplanismo e grupos anti-vacina são apenas dois exemplos da subjetividade do pensamento e da pressão do achismo (e com frequência, triunfo) sobre os dados científicos. A verdade absoluta foi desprezada.

Finalmente abraçamos a seletividade intelectual. Walter Lippman escreveu o seguinte:

“Sob certas condições, os homens reagem tão poderosamente a ficções, quanto o fazem a realidades, e em muitos casos, eles mesmos ajudam a criar as próprias ficções às quais reagem.”

A politização do Covid-19 comprova que é comum escolher e comprar os conceitos e valores de maneira subjetiva, interesseira, hedonista e individualista.

A tendência diante do declínio da racionalidade, da relativização da verdade e da seletividade intelectual é desvalorizar as diferenças e supervalorizar as semelhanças. Morei alguns anos no Canadá e ficou muito claro para mim as dificuldades para eu me comunicar numa segunda língua com imigrantes de vários países, que falavam outras línguas. Da mesma forma, numa sociedade multicultural, intergeracional e globalizada como a nossa, precisamos reconhecer claramente as diferenças para evitar a discriminação. Não fomos fabricados em série, numa linha de produção de fábrica. Não existem no mundo duas pessoas, duas impressões digitais, dois fatos, duas coisas que sejam absolutamente iguais. Quando exageramos as semelhanças, sem considerar as diferenças, criamos vários obstáculos à comunicação ética da verdade.

Há vários remédios para ajudar a corrigir e superar a discriminação na comunicação da verdade. Entretanto quero lidar diretamente com um clássico erro social, causador de alguns dos maiores pré-conceitos: a tendência humana ao ensimesmamento.

As pessoas acham que são autossuficientes e que sabem o bastante sobre vários assuntos. Pelo menos pensam que sabem o suficiente para criar fórmulas perfeitas para resolver grandes problemas sociais, expor opiniões sobre a crise econômica, atacar tal partido político e governo, opinar fortemente sobre as celebridades da TV e fazer comentários íntimos nas mídias sociais. Satisfeitas com a própria sabedoria, elas ficam desejosas para expor um certo conhecimento que, no final do dia, demonstra ser extremamente superficial, errôneo e, até mesmo, inapropriado.

A Psicologia demonstrou que o ensimesmamento – e seus filhotes autossuficiência, autopromoção, exibicionismo e assim por diante, se associam diretamente ao conceito Freudiano de Narcisismo. A palavra foi primeiramente cunhada por Sigmund Freud no artigo “Sobre a Introdução do Conceito de Narcisismo”, publicado em 1914.

Na mitologia grega, Narciso era um belo rapaz que rejeitou a ninfa Eco, que desesperadamente o desejava. Como punição, foi amaldiçoado pela ninfa e apaixonou-se incontrolavelmente por sua própria imagem refletida na água. Incapaz de levar a termo sua paixão por si mesmo, Narciso suicidou-se por afogamento.

O narcisista produz um tipo de discriminação que distorce a realidade, altera as evidências e modifica os fatos, em prol dos seus próprios interesses. Ele curte nas redes sociais aquelas posições que refletem os seus próprios pensamentos e lê apenas os jornais que concordem com ele. Ele prefere os programas que reforcem suas ideias e frequentará somente os grupos de afinidade onde se encontrem pessoas iguais. Os preconceitos do narcisista dirigem os fatos e as pessoas com as quais se comunica. Pessoas iguais, contudo, acham que sempre tem razão. Resultado: discriminação e intolerância distorce suas opiniões e hábitos.

Por isso, pessoas discriminadoras mostram uma precária capacidade para perceber intimamente o mundo dos outros seres humanos. Falta-lhes empatia. Muitas vezes, elas agem de forma exploradora, à custa dos outros. Em contraste com o uso do poder socializado e participativo para promover o bem-estar social, os narcisistas tentam manipular e dominar outros seres humanos, usando o poder e a força para controlar sua agenda pessoal. Raramente compreendem que a única maneira de preservar a integridade da personalidade é relacionar-se com outros homens e mulheres, com genuíno amor, compaixão, maturidade, solidariedade e humildade.

Na verdade, o melhor remédio para vencer o narcisismo e, consequentemente superar a discriminação na comunicação é a humildade. C. S Lewis descreve a humildade como um “abençoado auto esquecimento”:

“Não é pensar menos de si mesmo, mas pensar menos em si mesmo.”

O foco da pessoa humilde não está em si mesmo, em seu desenvolvimento, condição e progresso, mas em outros lugares, em outras pessoas. Acima de tudo, a comunicação eficaz parte do reconhecimento das limitações e deficiências de cada um de nós. Aprendamos a sublinhar a diversidade e celebrar as diferenças com a pessoa mais inteligente que já existiu, Jesus Cristo, que era “manso e humilde de coração (Mt: 11.29).

*****

Fonte/imagem: https://www.wikiwand.com/pt/Narcisismo

Fonte/imagem de destaque: https://www.shutterstock.com/pt/image-illustration/persons-disabilities-have-equal-rights-balance-749024914

Vale da sombra da arte: tensão como potência comunicadora

A arte, um tema bastante teorizado mas pouco discutido em suas interrelações com outras áreas, alimenta a imaginação de quem desconhece seus procedimentos. Na fantasia atual é comum que os personagens artistas assumam a posição clichê da loucura e idealização, em que suas produções não visam o ganho monetário. A arte contemporânea costuma ser, no período em que ocorre, tão malvista pelo público leigo (e conservador) que poucos se esforçam por compreender seus motivos. No entanto, este cenário pessimista que envolveu o fazer artístico apenas reflete o quanto a arte, por si, não recebe o seu devido mérito enquanto prática humana.

Ilustração de Elissa Grabriela

Ao visualizarmos a “Noite estrelada” pintada pelo holandês Vincent Van Gogh, ou a tela “Operários” de Tarsila do Amaral, e até mesmo quando escutamos a Nona Sonata de Beethoven, dificilmente associamos tais obras a pessoas ordinárias. Tampouco imaginamos que a arte, como potencial criativo e criador, esteja presente em todos e todas, não se reduzindo ao seu espectro habitual.

“Noite estrelada” – Vincent Van Gogh

Fayga Ostrower, artista e teórica da arte, escreveu em sua obra Criatividade e Processos de Criação (2014) que “a criatividade, como a entendemos, implica uma força crescente” (p. 27). Presente na humanidade, esta força serve como uma energia propulsora consciente que conduz à ação, logo, à criação.

Do ponto de vista teológico poderíamos questionar se este processo não seria, na realidade, uma subcriação, dado que só a Deus podemos conferir o poder verdadeiramente criador. No entanto, deixemos esta dúvida na mente de nossa leitora e de nosso leitor.

No horizonte psíquico temos uma tensão constante que nos impede de parar de fazer algo, de produzir, de agir. A humanidade, desde sua natureza, é um ser produtor: de ideias, de família, de pinturas, de textos, de trabalho, de sociedade… Esse “fazimento” é um processo criativo portador de arte. Se transformássemos a história humana em uma grande obra artística (pintura, escultura, música, livro, ilustração, filme ou outra produção), não veríamos outra coisa além da arte em si, traduzida na obra humana.

Essa mesma tensão psíquica pode estimular processos não-criativos que fundamentam a raiva, por exemplo, gerando em muitos casos a violência. Com isso, queremos dizer que a força-motriz que os artistas utilizam para pintar, esculpir, escrever, compor, filmar, arquitetar, construir, projetar, cozinhar etc., é também a mesma energia que muitos e muitas se servem para fertilizar a raiva, ciúme, orgulho e impiedade.

Diante deste desafio existencial a questão que nos surge é: o que os artistas utilizam para transformar essa tensão psíquica em um potencial criador? A resposta reside na sensibilidade. Logo, o que implica se abrir para a vulnerabilidade do si mesmo?

Fayga Ostrower explica que a tensão psíquica pode e deve ser elaborada.

Nos processos criativos o essencial é poder concentrar-se e manter a tensão psíquica, e não simplesmente descarregá-la. Embora exista no ato criador uma descarga emocional, ela representa um momento de libertação de energias que é necessário, mas de somenos importância do que certos teóricos talvez o acreditem ser. Mais fundamental e gratificante, sobretudo para o indivíduo que está criando, é o sentimento concomitante de reestruturação, de enriquecimento da própria produtividade, de maior amplitude do ser, que se libera no ato de criar (2014, p. 28).

O que a autora esclarece é que qualquer processo criativo exige uma força interna que move o indivíduo àquela ação e, mais do que isso, nenhum processo se reduz a uma mera vazão de emoções. Ele possui dois movimentos, de ida e de volta. Ao mesmo tempo em que criamos algo, também aprendemos, também sentimos, como se o produto de nossas intenções, naquele instante, se comunicasse conosco.

Fazer arte não é apenas um recurso expressivo, mas comunicativo em vários níveis: artista-espectador; artista-produto; artista-produto-espectador. Estes três planos se reorganizam continuamente enquanto a comunicação ocorre e a tensão psíquica se converte em linguagem, em beleza, em criação, em expressão humana. Contudo, a autora também alerta que a possível descarga emocional que possa aparecer no processo criativo é menos relevante que o valor humano que a obra gera nesta articulação artística, que é criativa e recursiva, além de promotora da amplitude do próprio indivíduo que cria, bem como daquela ou daquele que assiste o processo criativo ou vê o produto acabado.

Retornando à questão maior acerca da sensibilidade, algumas pistas já foram apresentadas. Qualquer criação humana envolve abertura de si. É preciso entender, de antemão, que algumas concepções podem ser desconstruídas para que novas ideias sejam formadas. Um processo criativo que não transforma o criador deixa de ser arte para ser terapia, isto é, uma vazão de sentimentos sem o menor controle deles. O valor da arte consiste, precisamente, na “intensificação do viver” (OSTROWER, 2014, p. 28), sem a qual, nos tornamos meros autômatos, talvez marionetes de nossos conflitos mentais. O conflito não é o problema, ele é um recurso para o próprio crescimento durante o processo, e a sensibilidade requer uma consciência disposta a perceber os fenômenos que se tornam aparentes no criar. Muitas vezes o conflito se torna uma predisposição para a abertura, requisito para a ação do plano sensível da criação.

Essa sensibilidade é a condição maior do fazer artístico que tem como efeito colateral o se tornar vulnerável ao próprio mundo por meio de sua obra. Não é possível se abrir sem ser afetada ou afetado pelo que se produz. Esta situação nos conduz a uma outra perspectiva, inclusive, do próprio fazer teológico, por meio do qual percebemos o pensar sobre Deus como uma via racional e de mão única. Contudo, analisando do ponto de vista do ser humano que também cria (ou subcria?), a Teologia requer uma enorme sensibilidade para se permitir ser transformada pela própria fé do indivíduo que crê, portanto, que pensa e sente. Caso contrário, ela também se reduzirá a uma vazão de pensamentos desconexos sobre uma compreensão equivocada do que seria o próprio Deus.

Dessa maneira, a arte também dialoga intimamente com a Teologia desde a base existencial de uma humanidade que, inserida no mundo, é responsabilizada por transformá-lo e nomear este processo criativo de “viver”.