A trágica história por trás do vídeo ‘fake’ de idosa brasileira com covid-19 que se espalhou pelo mundo

Publicado originalmente pela BBC News Brasil por Vinicius Lemos, em 15/05/2020*

O vídeo é angustiante: uma idosa deitada sobre uma maca de hospital respira com dificuldades. Ela usa máscara e não tem nenhum tipo de aparelho de ventilação mecânica para auxiliá-la. A mulher está dentro de um saco plástico, o mesmo utilizado para carregar corpos de pessoas mortas.

FOTO: PEDRO GUERREIRO/AGÊNCIA PARÁ

Desde a semana passada, a gravação viralizou. Inúmeros compartilhamentos do vídeo afirmam que se trata do caso de uma paciente idosa encaminhada ao necrotério. Segundo esses textos, que não possuem autoria clara, ela seria enterrada viva para inflar os números de covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus, no país.

A cena da idosa ofegante em uma maca tem se espalhado pelo mundo. Também fora do Brasil, o vídeo é acompanhado pela afirmação de que a paciente foi levada viva ao necrotério e foi resgatada pela própria família, que teria invadido o local.

A gravação tem sido compartilhada em outros países para ilustrar a situação do Brasil, que enfrenta o crescimento exponencial de casos e tem subido na lista de regiões do mundo com mais registros de covid-19 — os números atuais, divulgados n quinta-feira (14), mostram que o país tem mais de 202 mil casos confirmados e 14 mil mortes.

Algumas publicações dizem que o vídeo da idosa na maca foi gravado em Belém (PA). Outras, porém, afirmam que a filmagem é em um hospital de Manaus (AM), uma das primeiras regiões brasileiras a enfrentar colapso no sistema de saúde em razão da pandemia do coronavírus.

Em razão das polêmicas, o governo do Pará emitiu uma nota para informar que o vídeo foi gravado no distrito de Icoaraci, em Belém. As autoridades locais negam que a mulher estivesse em um necrotério. “Em nenhum momento a paciente foi encaminhada para o necrotério enquanto viva“, diz comunicado da Secretaria Estadual de Saúde do Pará. A divulgação do vídeo se tornou alvo de investigação policial.

As publicações que afirmam que a mulher foi encaminhada com vida para um necrotério são fake news. Elas têm viés negacionista em relação ao novo coronavírus, assim como outras notícias falsas que têm sido usadas para impor a ideia de que os números referentes à covid-19 no Brasil são inflados por autoridades — como histórias mentirosas sobre caixões enterrados vazios ou com pedras.

À espera de atendimento

As imagens da idosa, que não teve a identidade divulgada, foram feitas enquanto ela estava no setor de observação do Hospital Abelardo Santos. Conforme comunicado do Governo do Pará, a mulher esperava por um leito na unidade de saúde, que é referência no combate ao novo coronavírus no Estado.

O Pará tem registrado crescimento exponencial em casos do novo coronavírus. Até a quinta-feira (14) eram mais de 10,8 mil casos e 1.063 mortes. É o sexto Estado com mais casos e mortes no país.

Diante do aumento de registros no Estado, o Hospital Abelardo Santos, que até então era destinado a procedimentos de alta complexidade, passou a atender somente pacientes com o novo coronavírus. Profissionais da unidade relatam que o volume de pacientes se tornou muito grande desde então.

Dias antes do vídeo da idosa deitada na maca viralizar nas redes, um outro caso na mesma unidade de saúde repercutiu em todo o país: uma família abriu o caixão da parente que teria morrido e descobriu que o corpo era de outra pessoa. Mesmo com certidão de óbito, os familiares descobriram que a idosa, de 68 anos, permanecia viva no hospital Abelardo Santos, com suspeita de ter contraído o novo coronavírus. A mulher segue internada.

. FOTO: Reprodução

O caso da família que descobriu que enterraria um corpo desconhecido foi considerado um exemplo do colapso na saúde pública no Pará. A Secretaria de Saúde do Estado classificou a situação como uma consequência da falta de estrutura, em meio ao crescimento no número de doentes e mortos pelo novo coronavírus.

Diretor técnico do Hospital Abelardo Santos, o neurocirurgião Milton Bonny afirma à BBC News Brasil que a unidade de saúde enfrenta um grave problema de superlotação. “O Pará inteiro vem pra cá. No ambulatório é uma média de 1,2 mil pessoas. Era uma unidade de alta complexidade e, de repente, abriu para toda a população” diz.

Em meio à lotação do hospital, a idosa que aparece no vídeo que viralizou nas redes sociais estava à espera de um leito na sala vermelha da unidade de saúde.

Ela era uma paciente antiga da unidade de saúde, segundo Bonny. O neurocirurgião detalha que a idosa havia sido internada no local outras vezes, antes da pandemia. Ele conta que, em uma das internações, ela teve de amputar uma perna, em razão da diabetes.

Segundo a Direção da Santa Casa de Pacaembu, Organização Social em Saúde (OS) responsável pelo Abelardo Santos, a idosa deu entrada na unidade na noite de 4 de maio, em estado gravíssimo. Ela apresentava quadro de intensa falta de ar e fraqueza. A direção afirma que a paciente “recebeu assistência médica adequada pela equipe de plantão” logo que chegou.

O quadro dela foi considerado suspeito do novo coronavírus, em razão dos problemas respiratórios e do comprometimento nos pulmões, apontado por meio de tomografia. Os profissionais de saúde fizeram o teste RT-PCR, para identificar se ela havia sido infectada pelo vírus — o resultado ainda não ficou pronto. “Os exames são encaminhados para o Laboratório Central do Estado e têm demorado para chegar, pois são muitos casos“, diz Bonny.

Ao longo do dia 5 de maio, de acordo com a direção do hospital, o quadro de saúde da idosa se agravou enquanto aguardava internação. À espera de um leito, ela respirava com dificuldades, sem ventilação mecânica.

Segundo o diretor técnico do hospital, muitos pacientes precisam esperar por um leito na unidade de saúde, em razão da grande demanda no local.

Enquanto aguardava, foi colocada na maca, dentro de um saco que também é utilizado para levar cadáveres. “É um saco que pode ser usado para várias coisas e estava ali forrando a maca“, argumenta Bonny. O diretor justifica que o aparato iria ajudar a carregar a idosa para uma outra maca, em razão da fragilidade do estado de saúde dela.

FOTO: Reprodução

É uma prática comum em hospitais, ainda mais (em) épocas de pandemia ou epidemia, que mudam os nossos conceitos e precisamos fazer adaptações“, diz o diretor. Ele afirma que, em razão da grande demanda, são necessárias algumas alternativas mais rápidas no atendimento aos pacientes, como o uso do saco para a transferência entre macas — comumente, o procedimento é feito com um lençol.

A direção do hospital não informou por quanto tempo a idosa ficou sem respiradores, à espera de um leito. A nota emitida pela Organização Social em Saúde diz que a idosa, posteriormente, foi avaliada por dois médicos e encaminhada para a sala vermelha, que atende pacientes graves. Depois, não resistiu e morreu.

O vídeo

Após a morte da idosa, a direção do hospital foi informada sobre o vídeo que mostra a paciente à espera de atendimento. Para apurar os responsáveis pelo vazamento das imagens, o caso foi denunciado à polícia.

No entanto, posteriormente, segundo Bonny, uma filha, que acompanhava a idosa no hospital, disse ter sido a responsável pela filmagem.

Ela contou que mandou aquele vídeo para o irmão ver como a mãe estava e não sabe como a gravação vazou para outros grupos de WhatsApp“, diz o diretor. Segundo ele, os familiares da paciente não sabem como surgiu a fake news de que ela foi levada viva para o necrotério. A reportagem não conseguiu contato com os parentes da idosa.


FOTO: Reprodução

O diretor lamenta as notícias falsas que circularam no Brasil e em outros países. “Isso confundiu a população. Essa situação é muito chata“, comenta.

Em nota, representantes da OS que administra o Hospital Abelardo Santos lamentaram “a má utilização da imagem da paciente por pessoas que não respeitaram a dor da família“. A direção da unidade classificou a divulgação do vídeo como “uma atitude antiética, desumana e passível de punição penal”.

A Polícia Civil do Pará abriu inquérito para apurar o vazamento do vídeo e também para investigar os responsáveis pela fake news que afirma que a idosa foi levada viva para o necrotério. Os familiares dela e os profissionais de saúde envolvidos no atendimento à paciente devem ser ouvidos nos próximos dias.

A detenta Suzy Oliveira foi condenada por estuprar e matar uma criança de 9 anos?

CHECAGEM/PARCERIA: e-farsas.com

No dia 01º de março de 2020, foi ao ar uma reportagem apresentada pelo médico Dr. Drauzio Varella onde foi mostrada a vida de algumas detentas transexuais. No entanto, o caso de uma presa em especial chamou a atenção e causou uma comoção nas redes sociais na semana seguinte ao da veiculação da matéria. Suzy afirmou estar há 8 anos sem receber visitas e, após a divulgação da sua situação, a trans passou a receber centenas de cartas de espectadores que se solidarizaram com ela.

Acontece que, alguns dias após se tornar um dos assuntos mais comentados da web, surgiram publicações mostrando o suposto processo que teria levado a Suzy para a prisão: Ela teria asfixiado e ocultado o corpo de um menor de idade após violentar a criança!

Será que isso é verdade mesmo?

VERDADE OU MENTIRA?

Na primeira semana de março de 2020, o perfil do Instagram Ciências Criminais publicou um detalhado texto sobre uma série de pesquisas feitas pelo grupo, concluindo que Suzy Oliveira havia sido presa na Penitenciária I José Parada Neto, em Guarulhos (SP), por estupro e homicídio de um menino de 9 anos. O crime ocorreu em 2010 e ela (que na ocasião ainda usava o nome de batismo) foi presa após confessar o crime.

Os documentos divulgados pelo grupo de advogados do perfil Ciências Criminais mostram que Susy cometeu o crime em maio de 2010 em um bairro da zona leste da cidade de São Paulo e que um pedido de revisão criminal foi feito pela defesa à Justiça anos depois.

Dias depois da publicação, o perfil excluiu a postagem e explicou os motivos da exclusão:

Entramos em contato com Bruna Paz Castro, advogada de Suzy Oliveira – via Instagram – e ela nos disse que ia visitar a cliente no dia 09 de março de 2020 e só irá se pronunciar sobre o caso após esse encontro.

A advogada Bruna Paz Castro postou um vídeo em seu perfil do Instagram explicando que Suzy Oliveira reponde por dois crimes, sendo eles o de ato libidinoso e o de homicídio:

Nossos parceiros do Portal R7 entraram em contato com a Secretaria da Administração Penitenciária, que confirmou que a reeducanda Susy Oliveira cumpre, de fato, pena por homicídio triplamente qualificado e estupro de vulnerável (menor de 14 anos).

Fora isso, o Tribunal de Justiça de SP nos informou que o processo tramita sob segredo de Justiça e que, por esse motivo, não poderia se pronunciar sobre o caso.     

POSIÇÃO DO PROGRAMA FANTÁSTICO:

Após tamanha repercussão que a matéria apresentada no dia 1º de março de 2020 na Rede Globo de Televisão, o apresentador do programa Fantástico se pronunciou em nome do programa, no domingo seguinte (dia 07/03/2020):

“Os crimes não foram citados porque esse não era o objetivo. O quadro gerou elogios e também críticas por não mencionar os crimes.”

O doutor Drauzio Varella também emitiu uma nota em suas redes sociais:

“Há mais de 30 anos, frequento presídios, onde trato da saúde de detentos e detentas. Em todos os lugares em que pratico a Medicina, seja no meu consultório ou nas penitenciárias, não pergunto sobre o que meus pacientes possam ter feito de errado. Sigo essa conduta para que meu julgamento pessoal não me impeça de cumprir o juramento que fiz ao me tornar médico. No meu trabalho na televisão, sigo os mesmos princípios. No caso da reportagem veiculada pelo Fantástico na semana passada (1/3), não perguntei nada a respeito dos delitos cometidos pelas entrevistadas. Sou médico, não juiz.”

CONCLUSÃO:

É verdade que a detenta Suzy Oliveira foi condenada por estuprar e matar uma criança! A trans, que participou de uma reportagem exibida no Fantástico já foi julgada e condenada pela Justiça pelos crimes cometidos!

Fonte: https://www.e-farsas.com/a-detenta-suzy-oliveira-foi-condenada-por-estuprar-e-matar-uma-crianca-de-9-anos.html

A origem da “Black Friday” está relacionada com o comércio de escravos negros nos EUA?

[elementor-template id=”983″]

texto retirado do site de checagem – polígrafo.sapo.pt

Estão a propagar-se nas redes sociais diversas publicações que apontam para a origem da “Black Friday” como estando relacionada com o comércio de escravos negros nos Estados Unidos da América (EUA) que terão sido “vendidos com desconto para impulsionar a economia” na última sexta-feira do mês de novembro. Verdade ou mentira?

“Esta é a triste história e significado da ‘Black Friday’. Foi durante o comércio de escravos na América. Durante a sexta-feira negra, os escravos foram vendidos com desconto para impulsionar a economia. Daí ‘Black’ (escravos de origem africana) ‘Friday’ (a data da venda na última sexta-feira do mês de novembro)”, descreve-se na mensagem da publicação em causa.

É verdade que a origem da Black Friday está relacionada com o comércio de escravos nos EUA?

Não. De acordo com um documentário do canal televisivo “History”, a designação Black Friday surgiu na altura do crash no mercado do ouro nos EUA, a 24 de setembro de 1869. Nesse dia, dois especuladores financeiros, Jay Gould e Jim Fisk, conseguiram lucrar com a queda livre dos preços da matéria-prima, depois de terem comprado o máximo de ouro que puderam, na esperança de aumentar o preço e vendê-lo com lucros exponenciais.

Mas há outras explicações para o advento do conceito de Black Friday. A plataforma norte-americana de fact-checking “Snopes” indica que a expressão terá sido registada pela primeira vez em 1951, quase 100 anos depois da abolição da escravatura nos EUA. O termo era usado para se referir ao elevado número de pessoas que faltavam ao trabalho para fazer “ponte”, na altura do feriado do Dia de Ação de Graças, dizendo que estavam doentes. Este fenómeno de absentismo programado começou a ser classificado com uma expressão irónica entre a população dos EUA: a epidemia da “peste-de-ação-de-graças”.

Só na década de 1960 é que o termo passou a ser sinónimo das promoções feitas na sexta-feira após o Dia de Ação de Graças, referindo-se à confusão causada pelo grande número de consumidores nas ruas. Outra explicação comummente utilizada para explicar este termo é a de que, neste dia, os lojistas conseguiam tirar as contas do “vermelho” graças ao elevado volume de vendas de artigos em promoção, passando-as a “preto” (positivo).

Gradualmente, o conceito foi ganhando popularidade e, a partir da década de 1990, passou a ser oficialmente utilizado para designar o dia que inaugura a época de compras de Natal. Mais recentemente, a Black Friday popularizou-se como o dia em que as lojas vendem produtos com grandes descontos.

Em suma, independentemente das diferentes versões da história, o facto é que a origem da Black Friday não tem qualquer relação com o comércio de escravos negros nos EUA. Aliás, a escravatura foi banida por lei nos EUA em 1865, com a 13ª Emenda à Constituição, quatro anos antes do crash no mercado do ouro.

Atualização: Acresce que a imagem destacada na publicação também não corresponde a escravos negros nos EUA. Na realidade – e tal como alertou entretanto um leitor do Polígrafo – trata-se de uma fotografia captada em 1905 num campo de detenção de aborígenes na Austrália, mais concretamente na Wyndam Police Station, em East Kimberly.

***

Nota editorial:este conteúdo foi selecionado pelo Polígrafo no âmbito de uma parceria de fact-checking com o Facebook, destinada a avaliar a veracidade das informações que circulam nessa rede social.

Na escala de avaliação do Facebookeste conteúdo é:

Falso: as principais alegações do conteúdo são factualmente imprecisas. Geralmente, esta opção corresponde às classificações “falso” ou “maioritariamente falso” nos sites de verificadores de factos.

Fonte: https://poligrafo.sapo.pt/fact-check/a-origem-da-black-friday-esta-relacionada-com-o-comercio-de-escravos-negros-nos-eua