Bereia é incluído pelo Twitter em lista oficial de fact-checking; saiba como seguir

O perfil oficial do Twitter Moments Brasil, que organiza listas e realiza curadoria de conteúdos do momento na mídia social, incluiu o Bereia e outras oito organizações de mídia à lista de Fact-Checking que organiza, no último 23 de março. Com a lista, usuários podem acessar os conteúdos relevantes publicados por todos os veículos de mídia que a integram sem precisar seguir um a um deles.

A Curadoria do Twitter

De acordo com os últimos dados relativos ao último quadrimestre de 2020, o Twitter tem 335 milhões de usuários ativos por mês e mais de 1,3 bilhões de contas. Dos usuários ativos, 46% usam o Twitter diariamente e 74% usam a mídia social para receber notícias. Jornalistas representam cerca de um quarto de todas as contas verificadas do microblog.

Com tamanha chamada da rede para os assuntos do momento e para a interação com as notícias mais fiéis, o Twitter estabeleceu uma curadoria gerenciada por um perfil oficial da mídia social no Brasil. O Twitter Moments Brasil busca destacar “o que está acontecendo de melhor no Twitter entre centenas de milhões de Tweets enviados todos os dias.”

O perfil curador de conteúdo tem mais de 679 mil seguidores e organiza listas de assuntos diversos. Os perfis que participam da lista têm a possibilidade de aparecer na categoria Destaques do Twitter, aba que fica visível a todos os usuários da plataforma no Brasil. Bereia foi adicionado à lista de Fact-Checking junto com outros oito veículos até a data de fechamento desta matéria. A curadoria leva em consideração a imparcialidade, a precisão das informações e o tipo de conteúdo publicado pelo perfil.

Ao seguir a lista, o usuário do Twitter recebe em seu feed todas as postagens adicionadas nela sem precisar seguir um a um dos perfis (Foto: Twitter/Reprodução)

Como seguir a lista?

Usuários do Twitter que  seguem esta lista poderão ter acesso, no seu feed de tuítes às últimas publicações do Bereia e de outros veículos que participam da iniciativa, sem que precisem seguir o perfil de cada veículo. São verificações de pronunciamentos de autoridades ou lideranças, conteúdos digitais e reportagens publicadas com frequência, muitos assuntos, inclusive verificados por equipes de diferentes organizações de mídia, garantindo assim que o leitores possam ter acesso a informação verdadeira, confiável e de qualidade. A lista pode ser seguida por qualquer usuário do Twitter, bastando clicar aqui.

Para seguir a lista, basta clicar em “Seguir” (Foto: Twitter/Reprodução)

O Coletivo Bereia

Em atividade desde outubro de 2019, o Bereia é um coletivo de jornalistas, pesquisadores/as e estudantes de comunicação e de outras áreas das ciências humanas e sociais, que atua no enfrentamento da desinformação que circula em ambientes digitais religiosos e/ou propagada por líderes religiosos. A equipe conta, atualmente, com 26 pessoas, envolvidas nas tarefas de verificação, revisão, distribuição de conteúdos e edição do site da iniciativa. Em breve, o Bereia deverá lançar uma campanha de financiamento coletivo para buscar recursos para sua certificação internacional junto à International Fact-checking Network, entidade que certifica as agências de verificação com base em seus princípios e código de conduta.

O Bereia figura na lista do Twitter ao lado de Agência Lupa, Aos Fatos, Estadão, UOL Confere, Facebook ECO, Fato ou Fake, AFP Checamos e o Projeto Comprova. Em 2020, o coletivo participou do Projeto Comprova + Comunidades que reuniu oito iniciativas jornalísticas e realizou 283 relatórios de verificações específicas sobre a covid-19. Nesta etapa do projeto, foram envolvidos 92 profissionais entre jornalistas e estagiários.

Coletivo Bereia integra projeto especial do Comprova

No mês em que completa um ano de fundação, o Coletivo Bereia é selecionado para integrar o projeto Comprova + Comunidades, que reúne oito iniciativas de jornalismo atuantes em comunidades ou com temáticas raciais e religiosas. O Comprova é uma iniciativa da First Draft, liderada pela Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) que trabalha em colaboração com jornalistas de 28 veículos de comunicação do Brasil no combate à desinformação.

As oito iniciativas selecionadas são coletivos e agências das cinco regiões do país e que estão conectadas a públicos segmentados por territórios, temáticas raciais ou religiosas e a comunidades vulneráveis. Os representantes de cada coletivo ou agência atuarão no Comprova por 6 meses, devido a um convênio da Missão Americana no Brasil com a Abraji para combater desinformação relacionada à COVID-19.

Do Coletivo Bereia participam Juliana Dias e Luciana Petersen, que participam do coletivo desde o início. Os coletivos e agências estão recebendo treinamento para verificação, apoio para aquisição de equipamentos e uma ajuda financeira para remunerar os profissionais que atuarão no Comprova. Além do trabalho colaborativo nas investigações, espera-se que os novos participantes possam ajudar na criação de novas narrativas que ajudem a disseminar o resultado das verificações feitas pelo Comprova.

Fazem parte do projeto as seguintes agências e coletivos:

  • Marco Zero Conteúdo – coletivo de jornalismo independente em Recife que realiza cobertura local e regional, com foco no interesse público e nos setores mais vulneráveis da população.
  • Agência Mural de Jornalismo das Periferias – tem como missão minimizar as lacunas de informação e contribuir para a desconstrução de estereótipos sobre as periferias da Grande São Paulo.
  • Bereia – coletivo de jornalismo colaborativo para verificação de notícias em ambientes digitais religiosos.
  • Rádio Noroeste – instrumento de fortalecimento da cultura local, por meio da valorização das raízes e tradições populares, do esporte e lazer que animam a comunidade, e da economia da região noroeste de Goiânia.
  • Amazônia Real – agência que nasceu com o objetivo de fazer jornalismo independente, investigativo e pautado nas questões da Amazônia e de seu povo.
  • Coletivo Niara – grupo criado em 2014 por alunos da Universidade Federal do Pampa, campus São Borja, com o objetivo de acolher os ingressantes pretos e criar uma comunidade de apoio.
  • Alma Preta – agência de jornalismo especializada na temática racial do Brasil, cujo objetivo é construir um novo formato de gestão de processos, pessoas e recursos por meio do jornalismo qualificado e independente.
  • Favela em Pauta – portal de notícias formado por jornalistas baseados em favelas e periferias das cinco regiões do Brasil e que exerce a comunicação sob a perspectiva jovem, negra e periférica, utilizando as técnicas do jornalismo profissional.

Para o presidente da Abraji, Marcelo Träsel, a inclusão das agências e coletivos amplia o alcance do Comprova junto a públicos ainda pouco atendidos. Também é mais um passo no compromisso da atual gestão em aumentar a diversidade nas atividades da associação.

“Informações falsas podem até matar. Principalmente na área de saúde. Esperamos que esse programa possibilite que informações de qualidade cheguem a brasileiros que nem sempre têm acesso a esse tipo de checagem”, disse o adido de imprensa do Consulado dos Estados Unidos em São Paulo, Philip Drewry. “Nosso objetivo é garantir que brasileiros tenham à disposição as informações de que precisam para tomar decisões embasadas e conscientes.”

“Esta parceria representa muito para o nosso Coletivo. Primeiro, significa um reconhecimento da relevância do serviço que prestamos e da capacidade que temos de produzir conteúdo comprometido com informação de qualidade. Em segundo lugar, é uma oportunidade de aprendermos com o Comprova e com outros projetos e coletivos, o que trará, por certo, aperfeiçoamento para o nosso trabalho. Terceiro, é uma chance de aprofundarmos nossa perspectiva de jornalismo colaborativo e vocação de atuação coletiva”, afirma Magali Cunha, editora-geral do Coletivo Bereia.

As organizações de mídia envolvidas na terceira fase do Comprova são: A Gazeta, Gazeta do Sul, AFP, Band News, Band TV, Band.com.br, Canal Futura, Correio (da Bahia), Correio de Carajás, Correio do Estado, Correio do Povo, Diário do Nordeste (CE), Estado de Minas, Exame, Folha de S.Paulo, GaúchaZH, Jornal do Commercio, Metro Brasil, Nexo Jornal, NSC Comunicação, O Estado de S. Paulo, O Popular, O Povo, Poder360, Rádio Band News FM, Rádio Bandeirantes, revista Piauí, SBT e UOL.

Google News Initiative e Facebook Journalism Project ajudaram a financiar o projeto, e ambas as empresas estão fornecendo suporte técnico e treinamento para as equipes envolvidas. O Comprova tem como parceiros institucionais a Associação Nacional de Jornais no Brasil (ANJ), o Projor, a Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), a agência Aos Fatos e a RBMDF Advogados. Os parceiros de tecnologia são CrowdTangle, NewsWhip, Torabit, Twitter e WhatsApp.

***

Foto de Capa: Projeto Comprova + Comunidades/Divulgação

Bereia participa de lançamento da campanha #IgrejaSemFakeNews

Na noite desta quinta-feira, 15 de outubro de 2020, foi lançada a campanha #IgrejaSemFakeNews, uma iniciativa da Igreja Batista em Coqueiral, através do Instituto Solidare (Recife-PE), em parceria com a Tearfund e a Aliança Bíblica Universitária do Brasil (ABUB). O Coletivo Bereia, primeiro coletivo jornalístico de fact-checking religioso do Brasil, foi convidado para participar do lançamento. A campanha busca conscientizar cristãos sobre os riscos das fake news para a democracia e alertar para que desinformação não seja compartilhada durante o período eleitoral.

Na ocasião, participou o presidente da Associação Paz e Esperança Brasil e coordenador estratégico do Coletivo Bereia, Alexandre Brasil. Também houve a apresentação, na abertura, de um vídeo elaborado a pedido do Bereia por Isis Coutinho, pesquisadora em educação em ciências da saúde pela UFRJ e membro da igreja anglicana, no Rio de Janeiro-RJ.

Reflexão de Isis Coutinho, especial para o lançamento da campanha

De acordo com os organizadores da campanha, o lançamento se dá 30 dias antes do primeiro turno da eleição e pretende atingir todo o Brasil. Para isso, foi lançado um e-book (que pode ser baixado aqui), distribuído gratuitamente, com reflexões acerca das fake news tanto à luz da Bíblia quanto da legislação brasileira. É possível assistir ao vídeo do lançamento abaixo:

https://www.youtube.com/c/IBCoqueiral/

***

Foto de capa: IB Coqueiral/Reprodução

Bereia integra a Rede Nacional de Combate à Desinformação; lançamento será quinta

Na próxima quinta-feira, 24/09, será lançada a Rede Nacional de Combate à Desinformação (RNCD), iniciativa que reúne pesquisadores, jornalistas, projetos, agências, coletivos, movimentos sociais, revistas e instituições científicas, e entre os integrantes, o Coletivo Bereia. O lançamento acontece a partir de 19h por meio de transmissão ao vivo no Youtube da RNCD.

A editora-geral do Coletivo Bereia, Magali Cunha, classificou a decisão de integrar a rede como um “passo a mais da nossa consolidação [enquanto coletivo de verificação fatos]”. Bereia é reconhecido nacionalmente por ser o primeiro coletivo jornalístico do Brasil especializado em fact-checking religioso.

A Rede

São mais de 30 projetos que trabalham em várias frentes combatendo a desinformação em diversos ambientes e cujo escopo vai da pandemia da COVID-19, passa pela política e pelo ambiente religioso e chega aos direitos humanos com ataques à integridade das pessoas LGBT, mulheres, negros, indígenas, dentre outros.

A RNCD reúne uma diversidade de abordagens contra a desinformação englobando projetos de monitoramento de fake News, de jornalismo de fact-checking, projetos que trabalham com comunicação proativa levando informação precisa e necessária para a sociedade, projetos de contranarrativas, além de muitos que trabalham com informação científica e popularização da ciência.

Sobre o evento de lançamento é válido destacar que além da apresentação da plataforma da RNCD e dos parceiros da iniciativa, haverá uma palestra do jornalista e Professor Doutor Eugênio Bucci que dentre outras atividades é Professor Titular da Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP), colunista do jornal O Estado de São Paulo e foi Presidente da Radiobrás entre 2003 e 2007. Publicou vários livros, alguns focado na ética jornalística e, por último, publicou, em 2019, o livro Existe democracia sem verdade factual?.

Acompanhe o lançamento