Pandemia e homofobia: fala de rabino sobre “coronavírus ser castigo de Deus contra a homossexualidade” é falsamente atribuída a Ministro da Saúde de Israel

[elementor-template id=”983″]

Uma notícia que circulou de forma intensa nas mídias sociais nos últimos dias foi de que o Ministro da Saúde de Israel, Yaakov Litzman, teria afirmado que “o coronavírus é um castigo de Deus contra a homossexualidade”.  Vários sites brasileiros compartilharam a notícia, entre eles Hypeness, Pragmatismo Político e até mesmo o MSN. Um leitor de Bereia fez um pedido de checagem, e o caso foi verificado ponto por ponto pelo Coletivo.

Confira a checagem:

COMO TUDO COMEÇOU?

O jurista e membro do Parlamento Catalão, Alfons López Tena, escreveu em seu Twitter dia 05 de abril a seguinte mensagem:

“O Ministro da Saúde de Israel, Yaakov Lizman, chefe do partido Agudat Yisrael, que semanas atrás declarou que o coronavírus é um “castigo divino pela homossexualidade”, foi infectado. A esposa dele também. Isso força o primeiro-ministro Netanyahu a se isolar por mais 15 dias.”

Alfons López, em sua declaração, que obteve 2,5 mil retweets e mais de 3 mil curtidas, não informa a fonte de sua denúncia, apenas afirma que semanas atrás o Ministro da Saúde fez tal declaração.

Na verdade, quem tinha feito a declaração no mês anterior sobre “coronavírus ser punição de Deus” foi o rabino israelense, Meir Mazuz, durante uma palestra na yeshiva (local onde judeus se reúnem para estudar Torá e as tradições rabínicas), da qual é líder.

O site Time of Israel em matéria, dia 8 de março, escreveu:

“Um rabino israelense ortodoxo afirmou que a disseminação do coronavírus mortal em Israel e em todo o mundo é uma retribuição divina pelas paradas do orgulho gay.

As declarações do rabino Meir Mazuz, relatadas pelo jornal Israel Hayom no domingo, foram condenadas por grupos de direitos humanos, incluindo a Liga Anti-Difamação, que o pediu para se desculpar.

Um influente rabino sefardita, Mazuz é o ex-líder espiritual do partido Yachad ultra-nacionalista e homofóbico extinto e é o chefe da yeshiva Kiseh Rahamim em Bnei Brak.

Na noite de sábado, ele deu uma palestra na yeshiva, durante a qual, segundo o relatório, ele disse que uma parada do orgulho é “uma parada contra a natureza, e quando alguém vai contra a natureza, quem criou a natureza se vinga”.

O surto no Irã, um dos mais graves em qualquer país, ele explicou como sendo devido aos maus hábitos dos iranianos e “ao ódio deles por Israel”.

Segundo o jornal, Mazuz havia alegado anteriormente que Israel estaria protegido contra o coronavírus.

“É lamentável que em momentos como este, quando o mundo inteiro se reúna para erradicar o coronavírus, o rabino Mazuz ache apropriado culpar o surto do vírus na comunidade LGBTQ. Condenamos duramente suas declarações e pedimos que ele se desculpe ”, disse o ramo de Israel da ADL em comunicado.

O moderno grupo ortodoxo Ne’emanei Torah Va’Avodah também condenou os comentários de Mazuz.

“Usar esse tempo de necessidade de incitar contra a comunidade LGBT é inaceitável. Tentar fazer com que as pessoas voltem à religião não pode ter o preço de prejudicar outras pessoas ”, afirmou em comunicado.

Até agora, Israel teve 39 casos de coronavírus, incluindo 14 novos casos anunciados no domingo à noite, mas nenhuma morte.

Mazuz não é estranho à controvérsia ou à retórica odiosa. Em novembro de 2015, ele afirmou que as paradas do orgulho gay e outras formas de “comportamento pecaminoso” foram a razão pela qual os terroristas assassinaram Eitam e Naama Henkin em 1º de outubro de 2015.

Em um evento memorável para os Henkins, Mazuz disse que a morte a tiros nas mãos de terroristas palestinos havia sido uma forma de retribuição divina.

Em 2016, Mazuz atribuiu o colapso de uma garagem de estacionamento em Tel Aviv que matou seis pessoas e uma explosão que destruiu o satélite Amos-6 à profanação do Shabat.

Israel tem duas grandes paradas do orgulho gay a cada ano, uma em Tel Aviv e outra na capital, Jerusalém, que é anunciada como promovendo a tolerância.”

No dia 06 de abril, um dia após a declaração de López no Twitter, o site paquistanês nayadaur.tv, publicou uma matéria com o títuloMinistro da Saúde de Israel recebe coronavírus depois que rabino declara ‘punição divina’ ao vírus.

O primeiro parágrafo da matéria no site paquistanês anuncia:

“Aos 71 anos, Yaakov Litzman, ministro da Saúde de Israel e também líder do partido ultra-ortodoxo “Judaísmo Unido da Torá”, testou positivo para Covid-19. O diagnóstico foi divulgado nesta terça-feira (7) pela imprensa local e chamou atenção por causa de declarações anteriores de Litzman. Durante um discurso, ele afirmou que o coronavírus “é um castigo divino contra a homossexualidade”.

No dia 07 de abril o site inglês pinknews.co.uk declarou:

O Ministro da Saúde de Israel, que abertamente alegou que o coronavírus é “castigo divino” pela homossexualidade, dá positivo para o Covid 19

No mesmo dia, a equipe do honestreporting.com, que combate desinformação a respeito de temáticas ligadas à Israel, pediu que o site Pink News corrigisse sua matéria.

Honest Reporting pede correção de acusação falsa contra Ministro da Saúde de Israel

Leia na íntegra o que o editor-geral de Honest Reporting, Simon Plosker, escreveu:

“Houve relatos de declarações extremas e homofóbicas de alguns líderes religiosos de linha dura de diferentes religiões sobre o coronavírus.

O rabino Litzman, no entanto, não está entre eles. Além disso, se o ministro da Saúde de Israel fizesse tal declaração, teria causado um alvoroço dentro de Israel, uma sociedade esmagadoramente liberal e favorável aos gays. Uma história dessa natureza certamente seria manchete na imprensa israelense, incluindo os muitos sites profissionais de notícias em inglês que são facilmente acessados ​​por jornalistas de todo o mundo.

Então, de onde veio essa história? Um site baseado no Paquistão e um site humanista secular progressivo que o obteve do site paquistanês.

Esta é uma demonstração infeliz de como é fácil espalhar notícias falsas de fontes ilegítimas.

Para seu crédito, a Pink News respondeu ao nosso e-mail imediatamente, reconhecendo que havia sido cometido um erro. A história foi alterada e a seguinte correção foi emitida:

Uma versão anterior deste artigo referenciava dois relatórios imprecisos sobre Yaakov Litzman, culpando a pandemia de coronavírus pela homossexualidade. Isso já foi corrigido.”

O site Pink News mudou o título da matéria e tirou as acusações sobre o Ministro de Israel do texto, mas o endereço da matéria continua com o título anterior, como mostra a imagem abaixo.

O novo título, diz: Ministro “mais homofóbico” em Israel, que pensa que todas as pessoas LGBT + são pecadoras, dá positivo para COVID-19

ALÉM DA ACUSAÇÃO HOMOFÓBICA DO RABINO ISRAELENSE, MEIR MAZUZ, HÁ OUTROS LÍDERES RELIGIOSOS QUE RELACIONAM A PANDEMIA DO CORONAVÍRUS À HOMOSSEXUALIDADE?

SIM, confira:

O controverso pastor americano, Perry Stone, pregou para os seus fiéis, de uma igreja no Tennesee, Cleveland, EUA, que a pandemia atual é uma reposta de Deus, um castigo em resposta as leis que permitem o aborto e o casamento gay. “Há um acerto de contas, porque os tribunais da terra aprovaram uma lei para tirar a vida de uma criança, (…) e que o casamento, como conhecemos, fosse transformado em algo que nunca conhecemos”.

Segundo David Holland, professor de história da igreja na Harvard Divinity School, em matéria publicada no Times Free Press, afirmou não ser novidade líderes religiosos fazerem reivindicações teológicas sobre os eventos. “Esses religiosos já alegaram que a mão divina estava envolvida em inúmeros eventos – desde as vitórias e perdas em guerras até a epidemia de HIV / AIDS, em consequência da prática da homossexualidade”.

Para o pastor da Igreja Cristã dos EUA, Steven Adrew, “março é o mês do arrependimento do pecado LGBT. E por que as pessoas deveriam se arrepender do pecado LGBT? O amor de Deus mostra que é urgente se arrepender, porque a Bíblia ensina que os homossexuais perdem a alma e Deus destrói as sociedades LGBT. Obedecer a Deus protege os EUA de doenças como o coronavírus”.

Bereia conclui que o conteúdo da postagem do parlamentar Alfons López Tena, e reproduzida por diversos sites, atribuindo a fala “o coronavírus é um castigo de Deus contra a homossexualidade” ao Ministro da Saúde de Israel, Yaakov Litzman, é falso. Por outro lado, diversos outros líderes religiosos atribuiram a pandemia atual à comunidade LGBT , ao casamento gay e às leis que permitem o aborto.

Referências de Checagem:

Hypeness. https://www.hypeness.com.br/2020/04/israel-ministro-que-definiu-covid-19-como-castigo-divino-a-gays-esta-com-coronavirus/

Pragmatismo Político. https://www.pragmatismopolitico.com.br/2020/04/ministro-saude-israel-coronavirus.html

MSN. https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo/israel-ministro-que-definiu-covid-19-como-castigo-divino-a-gays-est%C3%A1-com-coronav%C3%ADrus/ar-BB12kw31?li=BBwanrb

Twitter Alfons López Tena. https://twitter.com/alfonslopeztena/status/1246578704370802689

Time of Israel. https://www.timesofisrael.com/israeli-rabbi-blames-coronavirus-outbreak-on-gay-pride-parades/

Naya Daur. https://nayadaur.tv/2020/04/israel-health-minister-who-termed-coronavirus-divine-punishment-gets-coronavirus/

Pink News. https://www.pinknews.co.uk/2020/04/07/israel-health-minister-coronavirus-punishment-homosexuality-positive-covid-19-yaakov-litzman/

Honest Reporting. https://honestreporting.com/hr-prompts-correction-to-false-charge-against-israeli-health-minister/

Now Toronto. https://nowtoronto.com/news/coronavirus-pandemic-religion-god/

Times Free Press. https://www.timesfreepress.com/news/life/faith/story/2020/mar/21/evangelist-perry-stone-coronavirus/518788/

Pink News. https://www.pinknews.co.uk/2020/03/08/coronavirus-outbreak-blame-lgbt-steven-andrews-right-wing-pastor/

Christian News Wire. http://christiannewswire.com/news/107683567.html

Fonte imagem de destaque. https://ultimosegundo.ig.com.br/mundo/2020-04-08/ministro-da-saude-de-israel-testa-positivo-para-covid-19.html